sexta-feira, 26 de julho de 2013

As "raízes judaicas" do cristianismo.

ENFIM… A técnica mais recente usada pelos missionários cristãos e o clero do cristianismo é o que chamam de “o aprendizado sobre as raízes judaicas do cristianismo”. Alguém pode pensar que o cristianismo começou com os judeus ou se desenvolveu do judaísmo. Contudo, não é isso o que significa “as raízes judaicas”. As raízes do cristianismo derivadas do judaísmo são as que estabelecem uma interpretação teológica cristã a uma cerimônia ou ritual judaico. Então afirmam que esta interpretação teológica cristã proposta “pode ser encontrada” em algo judaico (porque teria sido originalmente proposta pelos judeus), demonstrando que o cristianismo veio do judaísmo. Isso é absurdo, e demonstra as dimensões que adotam para obter assim legitimidade judaica.
UMA EXPLICAÇÃO COMPLETA Uma história: David tinha um jardim absolutamente formoso. Nele ele produzia so tomates mais perfeitos jamais vistos! Um dia, Mateus veio e plantou pepinos à direita do meio do jardim de David. Quando os pepinos começaram a brotar, Mateus disse a todos que os tomates foram a raiz de seus pepinos, ou seja, que os pepinos haviam se desenvolvido a partir dos tomates e que este resultado fazia com que -- a meta -- os tomates amadurecessem.
A história acima pode parecer ridícula, mas é exatamente o que muita gente que ensina “as raízes judaicas do cristianismo” realmente faz. Plantam os pepinos cristãos, por assim dizer, no meio dos tomates judaicos, e depois afirmam que o que plantaram ali brotou naturalmente do que ali crescia desde o principio. Em outras palavras, colocaram uma interpretação teológica cristã em uma cerimônia ritual judaica. Então afirmam que esta interpretação teológica cristã proposta “foi encontrada” em algo judaico (porque foi originalmente plantada ali pelos judeus), demonstrando que o cristianismo veio do judaísmo. Isto é absurdo, e demonstra as dimensões que adotam para obter assim legitimidade judaica. Deixe-me dar um exemplo:
A maioria das pessoas sabe que há três matsot (pães não-fermentados, ázimos) na bandeja do Seder de Pessach (Páscoa judaica). A maioria das pessoas sabe que matsá do meio é retirada e partida em dois. Um dos pedaços é escondido e deve ser procurado novamente ao final da refeição. Quando encontrado, simboliza o Aficomán. A matsá contém linhas e colunas de furinhos. Os cristãos dirão que a matsá, bem como o ritual com o Aficomán, simboliza Jesus, e por isso indicam que a teologia básica do cristianismo pode ser encontrada em rituais judaicos. Para eles, isso demonstra as “raízes judaicas" do cristianismo. Eles asseguram que as colunas e os furinhos representam as marcas de Jesus depois de ser açoitado, e os furinhos representam os furos que Jesus teve pela crucificação. Asseguram que as três matsot representam aTrindade do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. Por favor, note que é a matsá do meio, o “Filho” na Trindade, que é retirado e partido (crucificado), escondido (enterrado) e levado de volta à mesa (ressuscitado).
O problema é que isso é uma mentira absoluta. Nã havia seder, nenhuma Hagadá, tampouco três matsot em nenhuma bandeja do seder em que Jesus estava; sequer havia a bandeja do seder. Todos os rituais desenvueltos do seder vieram anos depois que Jesus vivera. As primeiras discussões de um ritual de Pessach descrevem somente a metade de uma matsá. Esta metade de matsá logo era partida em dois, formando assim quatro pedaços do original; e era colocado de lado para ser comido após a refeição. Não era ocultado, mas sim posto à vista de todos. A idéia de ocultá-lo veio na metade do século 17 na Alemanha, como maneira de manter as crianças interessadas no serviço religioso; uma idéia que finalmente foi acolhida entre os judeus ao redor do mundo. A razão pela qual a matsá tem colunas e furinhos é que é feita a máquina. Esta é que faz as colunas e furinhos enquanto a massa passa por ela. Esta máquina foi inventada já apenas cerca de 150 anos, me meados do século 19.
Obviamente os missionários cristãos e aqueles que desejam ver o cristianismo como originário do judaísmo podem interpretar qualquer coisa de um modo cristão. Mas isso não significa que o cristianismo se originou de qualquer coisa que eles interpretem.
Um cristão pode perguntar: “Mas não é correto dizer que os cristãos vêm dos primeiros judeus?” Sim, mas isto é inaplicável. Os primeiros Protestantes eram Católicos Romanos. Martinho Lutero era sacerdote católico. Os católicos romanos não consideram o cristianismo protestante como outra forma de Catolicismo Romano.
Se lermos o libvo apócrifo de Macabeus I, veremos que a primeira pessoa morta na rebelião dos macabeus foi um judeu. Ele estava disposto a ir e sacrificar um porco para Zeus, já que Matatias, um sacerdote, havia se recusado a fazê-lo. Obviamente, ele tinha que ser um judeu muito assimilado. Caso tivesse sobrevivido ao ataque de Matatias e, mais adiante, formado uma religião dedicada à adoração de Zeus e de seus filhos metade deuses, metade humanos, seria a sua fé recém-formada outra forma de judaísmo? Ele chamaria a nova fé de “Judeus por Zeus”," ou de “Judeus por Zeus e Seus Filhos Metade Humanos?” Isso significa que sua nova fé teria “raízes judaicas”.
Os missionários cristãos — e isso inclui os “Judeus por Jesus”“Judeus Messiânicos"“Judeus em Cristo”“Cristãos Hebreus” ou qualquer outra denominação similar — adotam qualquer método para conseguir que um judeu verdadeiro se converta. Tomam qualquer coisa judaica e põem nela um simbolismo cristão. Então assegurarão que, uma vez que podem agora encontrar simbolismo cristão neste símbolo judaico, esta é a “prova” de que o cristianismo se originou dele, que é a fonte da teologia cristã e que os judeus são demasiado estúpidos para não ver como a teologia cristã é aquilo que Deus quer que vissem, acima de tudo.
Contudo, isso também pode ser feito com qualquer coisa não-judaica!
Alguém poderia fazer a mesma coisa com uma pizza. A pizza contém três elementos básicos: pão, molho de tomate e queijo. O elemento do meio é o molho de tomate, que é vermelho. Alguém poderia facilmente dar uma interpretação cristã a estes três elementos que definem a pizza: Os três ingredientes básicos da pizza representam a Trindade cristã do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
O pão: chamam a Jesus de “o pão da vida”. O pão é amassado. Esta imagem de amassar o pão é igual a alguém que foi golpeado, e que poderia representar a Jesus açoitado. A massa para fazer o pão é alisada com um instrumento que faz os furos nela para tirar todo ar antes de ser levada ao forno. Este poderia se comparar a Jesus, que teve seu corpo furado durante a crucificação, assim como eles dizem sobre a matsá.
O molho de tomate: o molho é vermelho como o sangue de Jesus e é espalhado sobre a massa da pizza como o sangue de um sacrifício colocado sobre um altar.
O queijo: O queijo cobre o resto, como a morte de Jesus que cobriu os pecados das pessoas.
Do que lemos acima, podemos ver facilmente como qualquer coisa, até uma pizza, pode ser utilizada para simbolizar a Jesus. Fica a pergunta: este meio que o simbolismo encontrou na pizza indica que as raízes da pizza vêm do Cristianismo?
Não há raízes judaicas no cristianismo, porque a teologia em que se baseia não condiz com a ética do que é dito na Bíblia Hebraica, e são diametralmente opostas ao que se crê no judaísmo.


* Artigo de autoria do Rabino Stuart Federow, reproduzido aqui com autorização.

Nenhum comentário:

Postar um comentário