segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Êshet Cháyil, A Mulher Virtuosa

Dependendo do ponto de vista, vocês podem ficar impressionadas, intrigadas ou simplesmente surpresas por constatar que apenas dois livros da Bíblia tem um nome Feminino!!
As Escrituras são reconhecidamente, uma obra escrita por homens inspirados pelo ETERNO; contudo como os livros de Rute e Ester (Hadassah) demostra mais claramente, as mulheres são muito importantes na historia da redenção da humanidade!!
Para recorda-las, no livro de Rute, é contada a historia de uma jovem viúva que, por lealdade a sua sogra, retorna com ela a Jerusalém, para viver lá!!
Em tempos difíceis para ambas, Rute mostra-se trabalhadora; uma mulher de integridade e elevado caráter; O ETERNO compensou a sua fidelidade dando-lhe um novo marido, Boaz, um bom homem, reto e piedoso que alcançou uma certa riqueza, e pode, então, sustentar Rute e Noemi; além disso, Rute e Boaz tornaram-se os bisavós de David, o rei de Israel!!
Já no livro de Ester, a historia é sobre uma mulher fiel em circunstancias bastante adversas; uma jovem judia exilada na Babilônia, Ester, com sua beleza, atraiu a atenção de Assuero e tornou-se rainha; contudo, mesmo como tal, ela devia prestar atenção, ser cuidadosa para não desagradar o seu marido, ser expulsa ou ser morta!!
Num determinado momento, porem, ela arriscou tudo isso, a fim de salvar o seu povo, os judeus, de uma destruição em massa; embora inicialmente amedrontada por arriscar a sua própria vida, ela finalmente decidiu:
“E assim irei ter com o rei, ainda que não é segundo a lei; e, parecendo, pereço” (Ester 4:16);
Ester tinha uma fé vigorosa e corajosa!! Apesar de Rute e Ester serem os únicos livros com nomes femininos, existem muitas outras historias de mulheres importantes nas Escrituras, veja os relatos sobre Raabe [em Josué 2; e Débora) em Juízes 4-5]!!!
Por muitas razões, a maioria dos protagonistas das Escrituras são homens, mas as mulheres tiveram uma participação vital na historia judaica, da mesma forma como participa ate hoje no reino Espiritual;
Que o ETERNO nos permita sermos igual a essas mulheres, com caráter inabalável, personalidade marcante, fidelidade e temor ao Rei do Universo; essa é a mensagem que deixo para todos vocês (bye: Jehh Avigayil Beruriah) Shalom!!!!
Copiado do Facebook: Jehh Avigayil Beruriah
Êshet Cháyil, A Mulher Virtuosa
O poema descreve a esposa perfeita, de confiança do marido, caridosa para com os pobres e gentil para com todos, o marido e os filhos louvando-a como fonte de sua felicidade. Sua meta na vida é valorizar o crescimento do marido e dos filhos no conhecimento das Leis do ETERNO e nas boas ações.
Quem pode encontrar uma mulher virtuosa? Seu valor excede em muito o das jóias.
O coração de seu esposo confia nela, benefício não lhe há de faltar.
Ela o trata com bondade, nunca com maldade, todos os dias de sua vida.
Ela procura lã e linho e trabalha de bom grado com suas mãos.
Ela é como os navios mercantes; traz seu alimento de longe.
Levanta-se enquanto ainda é noite, alimenta seu lar e estabelece as tarefas para suas criadas.
Ela avalia um campo e o adquire; de seu lucro planta um vinhedo. Ela cinge seus lombos com a força e dobra os braços.
Ela está ciente de que seu empreendimento é proveitoso; sua lâmpada não se apaga à noite.
Ela põe suas mãos sobre o fuso, e suas palmas empunham a roca [de fiar].
Ela oferece sua mão ao pobre, e estende suas mãos ao necessitado.
Ela não teme por seu lar durante o frio, pois toda sua família está vestida [e aquecida] com lã escarlate.
Ela faz sua própria tapeçaria; suas vestes são de fino linho e púrpura. Seu marido é famoso nos portais, quando ele senta-se com os anciãos da terra.
Ela fabrica roupa branca e [a] vende, ela provê cinturões aos mercadores.
Força e dignidade são seus trajes; ela olha sorridente para o futuro.
Abre sua boca com sabedoria e o ensinamento da bondade está sobre sua língua.
Ela observa a conduta de seu lar e não come o pão da ociosidade.
Seus filhos levantam-se e a aclamam; seu marido a enaltece [dizendo]: “muitas filhas têm feito obras meritórias, porém tu superaste a todas elas!
O encanto é enganoso e a beleza nada vale; uma mulher temente a D’us é a que deve ser louvada.
Elogiem-na por suas realizações, e que suas obras louvem-na nos portões.” Provérbios 31:10-31
João diz que aquele que afirma: “Eu o conheço”, e não obedece aos seus mandamentos, é mentiroso e a verdade não está nele (1 João 2,4), pois de tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a D-us, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem. Eclesiastes 12:13
Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca (Yeshua, o Messias) Apocalipse 3:15-16

Lashon Ha'rah

Lashon Hará ( Lingua mal) Fofoca... traz lepra na alma de quem fala e de quem ouve...
Cuidado com a Lashon Ha'rah, a justiça do Eterno vem....as pessoas que usam a língua pra Lashon Ha'rah, são cheias de lepras, não uma lepra física mas suas almas estão leprosas...
"A língua também é um fogo; como mundo de iniquidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno. Porque toda a natureza, tanto de bestas feras como de aves, tanto de répteis como de animais do mar, se amansa e foi domada pela natureza humana; Mas nenhum homem pode domar a língua. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha mortal. Com ela bendizemos a D'us, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de D'us. De uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim".Tg 3,6-10
Lashon Hará (em hebraico לשון הרע) é um termo judaico para 'fofoca', 'calúnia' ou mesmo difamação para com alguma pessoa seja contra um judeu ou contra um não-judeu. Maimônides, em seu comentário sobre Pirkei Avot (Ética dos Pais) Condena tanto o lashon hará como qualquer outro ato que venha a quebrar uma lei da halachá, a lei judaica.
Lashon hará é uma observação negativa verdadeira sobre outra pessoa. A Torá nos proíbe de fazer tal declaração ou de dar ouvidos a ela. Nossos sábios nos ensinam que um judeu que fala lashon hará peca tão gravemente como um assassino, um adúltero ou um idólatra. Na época do Bet Hamicdash um judeu que falasse lashon hará era punido com tsaráat."

O QUE ESTÁ POR TRÁS DO CARNAVAL?

Já parou para pensar no que está por trás desta festa com o nome Carnaval? 
E sua origem?

Já observou quantos comerciais desta festa já começa antes mesmo da festa do Natal pelas TVs, rádios e etc...?
A palavra carnaval é originária do latim, carnis levale, cujo significado é retirar a carne. O significado está relacionado com o jejum que deveria ser realizado durante a quaresma e também com o controle dos prazeres mundanos.
Segundo os historiadores estudiosos desta festa, a Igreja Católica buscou então enquadrar tais comemorações. A partir do século VIII, com a criação da quaresma, tais festas passaram a ser realizadas nos dias anteriores ao período religioso. A Igreja pretendia, dessa forma, manter uma data para as pessoas cometerem seus excessos, antes do período da severidade religiosa.
As associações entre o carnaval e as orgias podem ainda se relacionar às festas de origem greco-romana, como os bacanais (festas dionisíacas, para os gregos). Seriam festas dedicadas ao deus do vinho, Baco (ou Dionísio, para os gregos), marcadas pela embriaguez e pela entrega aos prazeres da carne.
Portanto, a Igreja Católica a fim de enquadrar uma festa pagã com um revestimento espiritual, ela insere neste cenário para amenizar a devassidão dos foliões praticados durante a festa, a 4ª feira de cinzas, numa tentativa de aliviar a consciência dos pecadores, associando suas práticas animalescas, das orgias, bacanais, e outros ao patamar de cinzas.
As cinzas dão um sensação boa aos pecadores, pois a falsa sensação que suas ações assim como os seus pecados, como num passe de mágica, se tornaram em cinzas, portanto, sem efeito para serem condenados.
Assim, os devotos romanos, após se enfastiarem bem de todos os tipos de prazeres mundanos, iniciavam na 4ª feira de cinzas, os 40 dias de rigor religioso, para se purificarem, que culminava na semana santa para a páscoa romana.
Então, assim sendo, Roma instituiu que a Páscoa ocorresse entre 1 e 7 dias depois da 1º lua cheia eclesiástica depois de 21 de março. Assim, a data de lua nova será cerca de 44 dias antes da "lua cheia eclesiástica" ou seja entre cerca de 3 dias antes ou depois do Carnaval.
Atualmente, as pessoas com suas mentes e consciências cauterizadas por uma ANOMIA (desprezo pela Palavra de Deus e sua LEI (Torah - instrução), generaliza todo este comportamento execrável, considerando que tudo não passa de tradições de manifestações culturais e gêneros musicais.
A verdade, nua e crua, é que estamos entrando em mais um período muito desfavorável espiritualmente, onde teremos que conviver com muitos foliões se arrastando pelas ruas, dando espaço e nutrindo sua alma animal com os desejos de todo o tipo de carnalidade!
Outras considerações importantes:
Folião vem da palavra que significa: Foles, ou seja alguém que está vazio ou com a cabeça cheia de ar.
Lembre-se que em Física um balão vazio ou cheio de ar frio desce em queda livre, pois não consegue subir. O ar quente sobe, enquanto o ar frio desce.
E perceba também, que Ruach, significa sopro, porém, o sopro na palavra é comparado ao fogo, portanto ar quente.
Procuremos o ar quente do Ruach Kadosh (Espírito do Altíssimo) afim de que tenhamos forças para subirmos, nos elevando espiritualmente e assim termos forças para vencermos a alma animal.
Atente-se para a importância da celebração da Lua Nova - ROSH CHODESH ( o antídoto para vacinar a sua alma animal)
Perceba o cuidado de Hashem por nos, em nos dar a instrução em sua Torah e estabelecer nossas festas baseadas na Lua nova. 
Confira: Nm 28:11 e 14, e Isaias 66:23, Esdras 3:5; Sh’muel Alef (I Samuel) 20:5, 18, 24, Divre HaYamin Bet (2 Crônicas) 2:4
Rav Shaul (Paulo), faz uma menção do Festival da Lua Nova em Kolosim (Colossenses) 2:16-17:
Neste feriadão, não dê espaço para sua alma animal e se prepare com a leitura do Salmo 28.
A ti clamarei, ó Senhor, Rocha minha; não emudeças para comigo; não aconteça, calando-te tu para comigo, que eu fique semelhante aos que descem ao abismo.
Ouve a voz das minhas súplicas, quando a ti clamar, quando levantar as minhas mãos para o teu santo oráculo.
Não me arrastes com os ímpios e com os que praticam a iniqüidade; que falam de paz ao seu próximo, mas têm mal nos seus corações.
Dá-lhes segundo as suas obras e segundo a malícia dos seus esforços; dá-lhes conforme a obra das suas mãos; torna-lhes a sua recompensa.
Porquanto não atentam às obras do Senhor, nem à obra das suas mãos; pois que ele os derrubará e não os reedificará.
Bendito seja o Senhor, porque ouviu a voz das minhas súplicas.
O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele confiou o meu coração, e fui socorrido; assim o meu coração salta de prazer, e com o meu canto o louvarei.
O Senhor é a força do seu povo; também é a força salvadora do seu ungido.
Salva o teu povo, e abençoa a tua herança; e apascenta-os e exalta-os para sempre.
Salmos 28:1-9

O Vidente de Lublin.



( Que todos possam ter paciência e com os olhos sem nenhuma kelipá ler e entender o que está por trás das codificações, trata-se do nosso mashiach ben yosef contado pelos sábios do nosso povo...Baruch HaShem!!)

O Vidente de Lublin
Todos sabemos que, desde a época da destruição do templo, não houve Chevrá Kadishá(sociedade de homens e mulheres judeus dedicados que executam as preparações dos corpos dos mortos de acordo com a halachá) semelhante a de Lublin. O Reb de Lublin dizia a seu respeito que tinha a alma do profeta Elias.Só não possuia a profecia de fato porque vivia fora da terra de Israel. Ele tinha 5 mil chassidim , todos de inspiração divina. possuia milhares e milhares de outros chassidim que eram judeus simples.
Quando o Reb conhecido como vidente Lublin( por enxergar além do físico)
precisava de um barbeiro, ficava com muito medo de que um judeu impuro pudesse tocar na sua abençoada cabeça e isso lhe doesse como fogo, como se alguém lhe estivesse queimando.
Na véspera de uma festividade judaica, quando o Vidente de Lublin precisava cortar o cabelo, todos os barbeiros iam ao micvê, recitavam os salmos e faziam teshuvá . inacreditável. E cada um deles ansiava pelo privilégio de executar o trabalho, de tocar na cabeça do Reb.
Um dia, na véspera de uma festividade judaica, disse o Vidente-preciso cortar o cabelo.
Todos os barbeiros foram ao micvê, choraram e fizeram teshuvá.No entanto, toda vez que um deles entrava no aposento do Vidente de Lublin e tocava em sua cabeça, parecia-lhe que estava pegando fogo.Exclamava:-tragam-me outro barbeiro é preciso.
O que podia fazer? Foram a rua procurar um barbeiro. De repente viram uma espécie de hippie-como se diz atualmente- simpático, de cabelo cumprido.Percebia-se que ele não era lá grande coisa....Com certeza não tinha vindo do micvê.Ao seu lado, estava escrito um cartaz: Barbeiro ambulante-Pratico curas.
Você está disposto a cortar o cabelo do nosso mestre sagrado?-Perguntaram-lhe.
-Naturalmente porque não?!
Era óbivio que se tratava de um judeu simples e humilde, porém,aparentemente, um judeu íntegro, " integro entre seus contemporâneos"
O Vidente de Lublin era uma espécie de Mashiach.No momento exato em que o barbeiro entrou em seu aposento, foi visível que ele se deleitou de prazer.O tempo todo glorificava Hacadosh Baruch Hu toda vez que o barbeiro tocava em com seus dedos em sua cabeça.
Terminado o trabalho, o Rebe o abençoou.E os chassidim quiseram saber quem ele era.Acompanharam-no a uma taverna deram 4 copos de vinho e para afastar toda e qualquer improbabilidade, deram-lhe novamente otros 4 copos de vinho, até ele ficar um pouco embriagado.E então, perguntaram-lhe:- Caro barbeiro quem é você?
Ele abriu a camisa, e todos viram nas suas costas cicatrizes terríveis. Era quase insuportável olhar.
De onde são essas cicatrizes? - perguntaram.
E ele lhes contou:
- Vocês sabem, eu perambulo de cidade em cidade, de aldeia em aldeia.Moro na rua.Uma vez cheguei a uma aldeia distante e vi um judeu sendo preso pela polícia.Sua mulher e sete filhos choravam copiosamente.Alguma coisa tinha acontecido, alguém tinha roubado ou matado e, naturalmente naqueles dias, acusavamo primeiro judeu com que se deparassem.
Ele foi condenado a cem chibatadas. Sou médico, eu sei.Olhei para aquele judeu e percebi que depois de vinte e cinco chibatadas, ele morreria.Pensei: "Não tenho mulher, não tenho filhos".Aproximei-me dos policiais e disse: "Vocês estão enganados, não foi ele, fui eu quem fez isso".Eles imediatamente pediram desculpas pelo equívoco.
O barbeiro prosseguiu:
Levaram-me preso, e começaram a bater em mim com força.Infelizmente, eu não sabia que também não era muito corajoso.Quando cheguei a chibatada quarenta e nove, percebi que iria morrer....E disse: "Senhor do Universo, heiliguer tate in himl(Sagrado Pai nos Céus), não é por mim, não é por mim que recebo estas chibatadas.Recebo chibatadas somente em honra a Ti....Não conheço aquele judeu.Fiz o que fiz em honra do Povo de Isarael.
Fiz isso para salvar um judeu que tem filhos, para que sobreviva.
Senhor do Universo, tem compaixão de mim, para que eu não morra". De alguma forma fiquei vivo.Estas são as cicatrizes.................
O povo de Israel é abençoado duplamente:pela santificação do Vidente de Lublin e pela santificação do barbeiro, que se dispôs a receber chibatadas em lugar de outro judeu.....( LIVRO DOS TSADIKIM DO NOSSO POVO)

Para entenderem como surgiu a religião cristã!


Fatos sobre o que está por trás do sistema religioso romano que todos deveriam saber! 
(Pesquisa :por Lincoln Rodrigues)
# 19 Fatos Sobre o Concílio de Nicéia! Algumas informações de como sucedeu, até a decisão e surgimento do novo "deus" (19* Item) do Império Romano! Ps* As informações são todas CRISTÃS e com fontes bibliográficas ao lado entre parênteses.


1* - A maioria dos escritores cristãos da atualidade suprimiu a verdade sobre o desenvolvimento do cristianismo e ocultaram os esforços de Constantino para conter o caráter vergonhoso dos presbíteros que agora são chamados "Pais da Igreja" ( Catholic Encyclopedia, Farley ed., vol. xiv, pp. 370-1).
- Constantino falando a respeito dos "Pais da Igreja":
2* - Eles foram "enlouquecidos",disse ele (Life of Constantine, attributed to eusebius Pamphilius of Caesarea, c. 335, vol. iii p.171; The Nicene and Post-Nicene Fathers, cited as N&PNF, attributed to St.Ambrose, Rev. Prof. Roberts, DD, and Principal James Donaldson, LLD, editors, 1891, vol. iv, p.467).
3* - Registros antigos revelam a verdadeira natureza dos presbíteros, e a pouca consideração em que foram realizados os concílios, foi sutilmente reprimida por modernos historiadores da igreja (The Dictionary of Classical Mythology, Religion, Literature and Art, Oskar Seyffert, Gramercy, New York, 1995, pp. 544-5).
4* - Na realidade, eles foram: "os companheiros mais rústicos, ensinando estranhos paradoxos. Eles declararam abertamente que ninguem, estava apto a ouvir seus discursos,pois eram ignorantes e incultos, divulgando nas praças, feiras e mercados..." (Contra Celsum [ "Against Celsus"], Origen of Alexandria, c.251, BK I, p. lxvii. Bk III, p. xliv).
5* - Grupos de presbíteros tinham criado "muitos deuses e muitos senhores" (I Cor.8:5), e numerosas seitas religiosas existiam, cada um com diferentes doutrinas ( Gal 1:6 ).
6* - Grupos de presbíteros entraram em confronto sobre os atributos de seus vários deuses e "criaram vários altares" para competir com outros grupos (Optatus of Milevis, 1:15, 19, early century).
7* - Do ponto de vista de Constantino, havia várias facções e ele começou a desenvolver uma religião abrangente durante um período de confusão. Em uma época de ignorância crassa, com nove décimos dos povos da europa analfabetos, isso foi apenas um dos problemas de Constantino ( Catholic Encyclopedia, Pecci ed., vol. iii, p. 299, passim).
8* - Simplesmente, não havia nenhuma religião cristã no tempo de Constantino, e a Igreja reconhece que o conto de uma "conversão" e "batismo" é "inteiramente lendário". ( Catholic Encyclopedia, Farley ed., vol. xiv, pp. 370-1).
9* - Constantino "nunca adquiriu um conhecimento teológico sólido" e "dependia fortemente de seus assessores em questões religiosas" ( Catholic Encyclopedia, New Edition, vol. xii, p. 576, passim).
10* - De acordo com Eusébio (260-339),Constantino observou que entre os Presbíteros havia facções "brigas e era necessário estabelecer um estado mais religioso", mas ele não conseguia trazer um acordo entre as facções (Life of Constantine, op. cit., pp. 26-8).Seus conselheiros avisaram que as religiões dos presbíteros tinham que ser "destituídas com fundamentos" e precisava estabelecer uma de forma oficial (ibid.).Contantino viu nesse sistema confuso de dogmas fragmentado a oportunidade de criar uma nova religião e que se ligasse ao estado,neutro em termos de conceito, e para protegê-lo por lei. Quando conquistou o Oriente em 324, enviou o seu conselheiro religioso espanhol, Osius de Córdoba, a Alexandria com cartas para vários bispos exortando-os a fazer as pazes entre si.
11* - A missão falhou e Constantino, provavelmente por sugestão de Osius, em seguida, emitiu um decreto ordenando a todos os presbíteros e seus subordinados que viessem a cidade de Nicéia, na província romana da Bitínia, na Ásia Menor."
12* - Eles foram instruídos a trazer com eles os testemunhos que discursavam para a multidão "em códice" para proteção durante a longa viagem, e entregá-los a Constantino no momento da chegada em Nicéia ( The Catholic Dictionary, Addis and Arnold, 1917, "Council of Nicaea" entry). Seus escritos totalizaram "ao todo, 2.231 pergaminhos e contos lendários de deuses e salvadores, bem como um relatório das doutrinas discursadas por eles" ( Life of Constantine, op. cit., vol. ii, p. 73; N&PNF, op. cit., vol. i, p.518).
>>> O Primeiro Concílio de Nicéia e os registros desaparecidos:
13* - Assim, o primeiro encontro na história eclesiástica foi convocado e hoje é conhecido como o Concílio de Nicéia. Foi um evento bizarro que forneceu muitos detalhes sobre o pensamento clerical desde o início e apresentava uma imagem clara do clima intelectual vigente na época. Foi nessa reunião que o cristianismo nasceu, e as decisões tomadas no momento é que são difíceis de calcular.
14* - Cerca de quatro anos antes de presidir o conselho, Constantino havia sido iniciado na ordem religiosa do Sol Invictus, um dos dois cultos de prosperidade que consideravam o Sol como o único Deus Supremo (o outro foi o Mitraísmo). Por causa de sua adoração ao Sol, ele instruiu Eusébio a convocar a primeira das três sessões no solstício de verão, 21 de junho de 325 ( Catholic Encyclopedia, New Edition, vol. i, p. 792; Ecclesiastical History, Bishop Louis Dupin, Paris, 1686, vol. i, p. 598).
15* - De acordo com registros Eusébio "ocupou a primeira cadeira á direita do imperador e proferiu o discurso inaugural, em nome do imperador" ( Catholic Encyclopedia, Fearley ed., vol. v, pp. 619-620). Não houve presbíteros britânicos no conselho, mas muitos delegados gregos e também, "setenta bispos do Oriente", outros representam a África e Ásia e pequenos números de outras áreas (Ecclesiastical History, ibid.).
16*- Foi nessa assembléia e com tantas ramificações representadas, que um total de 318 "bispos, sacerdotes, diáconos, subdiáconos, e exorcistas" se reuniram para debater e decidir um sistema de crenças unificado, que englobava apenas um deus (An Apology for Christianity, op. cit.)
17* - Por esta altura, uma enorme variedade de "textos discutíveis" ( Catholic Encyclopedia, New Edition, Gospel and Gospels) circulava entre os presbíteros e eles apoiavam uma grande variedade de deuses e deusas orientais e ocidentais: Jupiter,Baal,Tor, Apolo, Aries, Taurus, Minerva, Mitra, Theos, Ati, Indra, Hermes, Tamuz, Iao, Saturno, Máximo etc (God's Book of Eskra, anon ., ch. xLviii, paragraph 36).
18* - A intenção de Constantino, em Nicéia foi a criação de um deus totalmente novo para o seu império, que uniria todas as religiões sob uma divindade, Os Presbíteros foram convidados para debater e decidir quem seria o novo deus. Os delegados discutiram entre si, expressando motivos pessoais para a inclusão de determinados escritos que promovessem os traços mais delicados de sua própria divindade especial.
Ao longo da reunião, alguns uivavam e o debate se tornava mais acalorado, e os nomes dos 53 deuses foram apresentados para discussão (God's Book of Eskra, Prof. S.L.MacGuire's translation, Salisbury, 1922, chapter xlviii, paragraphs 36,41).
19* - Constantino era o espírito dominante em Nicéia e ele finalmente decidiu por um novo deus para eles. Ele determinou que o nome do grande deus druida, Hesus, deveria ser juntado com o deus Oriental Krishna (Krishna que em Sânscrito é Cristo),e, assim, Hesus Krishna seria o nome oficial do novo deus romano. A votação foi realizada e ambas as divindades se tornaram um Deus. Um novo deus foi proclamado e "oficialmente" ratificado por Constantino (Acta Concilii Nicaeni, 1618).