segunda-feira, 12 de outubro de 2015

O QUE ESTÁ POR TRÁS DO CARNAVAL?

Já parou para pensar no que está por trás desta festa com o nome Carnaval? 
E sua origem?

Já observou quantos comerciais desta festa já começa antes mesmo da festa do Natal pelas TVs, rádios e etc...?
A palavra carnaval é originária do latim, carnis levale, cujo significado é retirar a carne. O significado está relacionado com o jejum que deveria ser realizado durante a quaresma e também com o controle dos prazeres mundanos.
Segundo os historiadores estudiosos desta festa, a Igreja Católica buscou então enquadrar tais comemorações. A partir do século VIII, com a criação da quaresma, tais festas passaram a ser realizadas nos dias anteriores ao período religioso. A Igreja pretendia, dessa forma, manter uma data para as pessoas cometerem seus excessos, antes do período da severidade religiosa.
As associações entre o carnaval e as orgias podem ainda se relacionar às festas de origem greco-romana, como os bacanais (festas dionisíacas, para os gregos). Seriam festas dedicadas ao deus do vinho, Baco (ou Dionísio, para os gregos), marcadas pela embriaguez e pela entrega aos prazeres da carne.
Portanto, a Igreja Católica a fim de enquadrar uma festa pagã com um revestimento espiritual, ela insere neste cenário para amenizar a devassidão dos foliões praticados durante a festa, a 4ª feira de cinzas, numa tentativa de aliviar a consciência dos pecadores, associando suas práticas animalescas, das orgias, bacanais, e outros ao patamar de cinzas.
As cinzas dão um sensação boa aos pecadores, pois a falsa sensação que suas ações assim como os seus pecados, como num passe de mágica, se tornaram em cinzas, portanto, sem efeito para serem condenados.
Assim, os devotos romanos, após se enfastiarem bem de todos os tipos de prazeres mundanos, iniciavam na 4ª feira de cinzas, os 40 dias de rigor religioso, para se purificarem, que culminava na semana santa para a páscoa romana.
Então, assim sendo, Roma instituiu que a Páscoa ocorresse entre 1 e 7 dias depois da 1º lua cheia eclesiástica depois de 21 de março. Assim, a data de lua nova será cerca de 44 dias antes da "lua cheia eclesiástica" ou seja entre cerca de 3 dias antes ou depois do Carnaval.
Atualmente, as pessoas com suas mentes e consciências cauterizadas por uma ANOMIA (desprezo pela Palavra de Deus e sua LEI (Torah - instrução), generaliza todo este comportamento execrável, considerando que tudo não passa de tradições de manifestações culturais e gêneros musicais.
A verdade, nua e crua, é que estamos entrando em mais um período muito desfavorável espiritualmente, onde teremos que conviver com muitos foliões se arrastando pelas ruas, dando espaço e nutrindo sua alma animal com os desejos de todo o tipo de carnalidade!
Outras considerações importantes:
Folião vem da palavra que significa: Foles, ou seja alguém que está vazio ou com a cabeça cheia de ar.
Lembre-se que em Física um balão vazio ou cheio de ar frio desce em queda livre, pois não consegue subir. O ar quente sobe, enquanto o ar frio desce.
E perceba também, que Ruach, significa sopro, porém, o sopro na palavra é comparado ao fogo, portanto ar quente.
Procuremos o ar quente do Ruach Kadosh (Espírito do Altíssimo) afim de que tenhamos forças para subirmos, nos elevando espiritualmente e assim termos forças para vencermos a alma animal.
Atente-se para a importância da celebração da Lua Nova - ROSH CHODESH ( o antídoto para vacinar a sua alma animal)
Perceba o cuidado de Hashem por nos, em nos dar a instrução em sua Torah e estabelecer nossas festas baseadas na Lua nova. 
Confira: Nm 28:11 e 14, e Isaias 66:23, Esdras 3:5; Sh’muel Alef (I Samuel) 20:5, 18, 24, Divre HaYamin Bet (2 Crônicas) 2:4
Rav Shaul (Paulo), faz uma menção do Festival da Lua Nova em Kolosim (Colossenses) 2:16-17:
Neste feriadão, não dê espaço para sua alma animal e se prepare com a leitura do Salmo 28.
A ti clamarei, ó Senhor, Rocha minha; não emudeças para comigo; não aconteça, calando-te tu para comigo, que eu fique semelhante aos que descem ao abismo.
Ouve a voz das minhas súplicas, quando a ti clamar, quando levantar as minhas mãos para o teu santo oráculo.
Não me arrastes com os ímpios e com os que praticam a iniqüidade; que falam de paz ao seu próximo, mas têm mal nos seus corações.
Dá-lhes segundo as suas obras e segundo a malícia dos seus esforços; dá-lhes conforme a obra das suas mãos; torna-lhes a sua recompensa.
Porquanto não atentam às obras do Senhor, nem à obra das suas mãos; pois que ele os derrubará e não os reedificará.
Bendito seja o Senhor, porque ouviu a voz das minhas súplicas.
O Senhor é a minha força e o meu escudo; nele confiou o meu coração, e fui socorrido; assim o meu coração salta de prazer, e com o meu canto o louvarei.
O Senhor é a força do seu povo; também é a força salvadora do seu ungido.
Salva o teu povo, e abençoa a tua herança; e apascenta-os e exalta-os para sempre.
Salmos 28:1-9

Nenhum comentário:

Postar um comentário