sábado, 16 de julho de 2016

Salmos.


Tehilim é o Livro dos Salmos. A palavra Tehilim significa louvou e por isso podemos realmente traduzi-lo como "O Livro dos Louvores". Louvor é o tema mais frequente nos Salmos.

D'us é louvado por Sua grandeza e glória e pela bondade e compaixão que demonstra a suas criaturas. A Torá é louvada como a expressão da vontade Divina e Tsiyon como a Terra Prometida.

Está escrito no início da Torá "este é o livro das gerações do homem".

O primeiro homem, Adam (Adão) foi criado no sexto dia da Criação, véspera do primeiro Shabat. Faltava apenas três horas para que o Shabat chegasse e atingisse a perfeição completa do mundo, quando então Adam falhou, desobedecendo um dos mandamentos de D'us, de não comer do fruto da árvore proibida.

Desta forma ele rebaixou o nível de todo o Universo com a sua caída. Ele então procurou através da visão que D'us havia lhe proporcionado sobre as gerações futuras, uma alma especial que pudesse enaltecer a D'us, em busca do perdão de seu pecado, a fim de trazer de volta a perfeição ao mundo.

Encontrou então o Rei David, que estava destinado a viver somente 3 horas. Adam perguntou a D'us: "Posso doar 70 anos de minha vida para esta alma?" D'us concordou. Então os nossos sábios no Midrash falam que Adam declarou: "Mestre do Universo, este que é tão lindo, o Rei David, eu presenteei ele com soberania, e também com Cânticos de Louvor para os 70 anos de sua vida. Para que ele possa cantar perante ti."

Na história do Rei David, seu exílio, perseguições, lutas e eventual triunfo, o povo judeu encontrou um exemplo para sua própria vida. O Livro dos Salmos, através dos tempos, serviu como uma infinita fonte de inspiração, coragem e esperança.

Mas nem todos os salmos foram compostos por David; alguns são de sua autoria, outros que compilou basearam-se nos cânticos de dez pessoas: Adam, Malkitsedek, Avraham, Moshê, Himan, Yedutun, Assaf, e os três filhos de Côrach, todos compostos por inspiração Divina.
Por que recitamos Salmos?

A resposta é simples: quanto maior a escuridão, maior será a revelação da luz. Neste mundo de tanta obscuridade em que nos encontramos hoje, nada mais apropriado do que carregar o maior instrumento contra o mal: um livro de Salmos. Em todas as épocas, o Sêfer Tehilim, Livro dos Salmos, tem sido ao mesmo tempo fonte de conforto e consolo aos angustiados e expressão de gratidão aqueles que recebem as bênçãos Divinas.

O livro de Tehilim é usado sempre quando uma pessoa deseja aproximar-se ou pedir algo a D'us. Possui 150 capítulos, que contêm louvor e súplicas a D'us, dividido em cinco partes, paralelas aos cinco livros de Moshê, e ainda subdividido em sete partes, uma para cada dia da semana, e ainda em 30 divisões, para cada dia do mês. Muitos judeus costumam recitar uma porção dos salmos a cada dia após as orações matinais, completando assim toda a seqüência no decorrer de uma semana, ou de um mês.

Apesar de terem sido escritos séculos atrás, os Salmos são perfeitamente pertinentes na atualidade. A luta para permanecer vinculados e próximos a D'us frente à opressão do mundano, ainda constitui-se na nossa batalha diária.

Este é o motivo da atração que os Salmos exercem. Há Salmos específicos recitados para diferentes ocasiões. Entre os costumes o de recitar diariamente o capítulo que corresponde a idade que a pessoa irá completar (aquele que tem 18 anos completos, por exemplo, lê diariamente o número 19, e ao completar 19, passa a ler o 20, e assim por diante). O Tehilim deve ser recitado todos os dias e permanentemente.

Há uma conhecida expressão que diz que se todo aquele que soubesse o real poder dos Salmos, não pararia um segundo sequer de recitá-lo.

Não somente os Salmos, mas todas as escrituras sagradas (Tanach), não devem ser recitadas na primeira metade da noite, ou seja, desde o pôr-do-sol até a meia-noite.

Fonte: http://www.coisasjudaicas.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário