sexta-feira, 31 de maio de 2013

O que é ser judeu?

Pergunta:

O Judaísmo é uma "religião"? O termo "judeu não-religioso" é um contra-senso? Alguém ainda pode ser judeu sem observar as leis e ética da Torá na vida diária? Afinal, o que é ser judeu?

Resposta:

Os judeus desafiam todas as definições convencionais de "povo" ou "nação". Carecemos de uma raça comum, cultura ou experiência histórica. Ao mesmo tempo todos compartilhamos nossos direitos eternos à Terra de Israel, pois exceto em alguns poucos séculos nos últimos 4000 anos a esmagadora maioria dos judeus não viveu ou sequer colocou os pés no país judaico.
No decorrer de nossos mais de 3300 anos de história, o que nos definiu como judeus é um relacionamento e comprometimento. Somos judeus porque D'us nos escolheu para sermos Seu "tesouro querido entre todas as nações… um reino de sacerdotes e um povo sagrado" (Shemot 19:5-6). Somos judeus porque D'us nos escolheu para desempenhar o papel principal na implementação de Seu propósito na Criação: para orientar nossas vidas de acordo com Sua vontade, e desenvolver uma sociedade e comunidade mundial que reflete Sua bondade e perfeição.
A substância desse relacionamento, o mapa desse compromisso, é a Torá. Ela é o conceito Divino de realidade comunicada ao homem, o projeto que descreve o mundo perfeito visualizado por nosso Criador e detalha a maneira como o Inventor da Vida deseja que seja vivida.
Isso poderia parecer definir nosso Judaísmo como uma "religião"; somos judeus porque aderimos às crenças e práticas ordenadas pela Torá. Porém, a própria Torá diz que não é assim.
A própria Torá proclama (Vayicrá 16:16) que D'us "habita entre eles no meio de suas impurezas" – que Seu relacionamento com Seu povo permanece intacto apesar de seu comportamento. Nas palavras do Talmud (Sanhedrin 44a), "Um judeu, embora tenha transgredido, é um judeu."
Segundo a Lei da Torá, o Judaísmo de uma pessoa não é uma questão de estilo de vida ou autopercepção: ele pode ser inconsciente por completo de seu Judaísmo e ainda ser judeu, ou pode-se considerar judeu e cumprir todos os preceitos da Torá e ainda assim não ser judeu.
Em outras palavras, é o relacionamento entre o judeu e seu Criador que define seu Judaísmo – não seu reconhecimento desse relacionamento ou sua concretização na vida diária. Não é o cumprimento das mitsvot ("Mandamentos Divinos") que faz dele um judeu, mas o comprometimento que as mitsvot representam.

A essência de uma transgressão

Este é o significado mais profundo do axioma: "Um judeu, embora tenha transgredido, é um judeu."
O significado simples dessas palavras é que um judeu ainda é um judeu apesar de suas transgressões. Num nível mais profundo, é porque transgrediu que ele é um judeu. Um não-judeu que come chametz (pão fermentado) em Pêssach não fez nada de errado; da mesma forma, se comer matsá na noite do Sêder, isso não tem importância moral ou espiritual. Mas para um judeu, as mitsvot de Pêssach são um componente do seu relacionamento com D'us: ao cumpri-las, ele está concretizando esse relacionamento e estendendo-o à sua vida diária. Se ele as violar, D'us não o permita, está transgredindo – agindo de forma contrária ao compromisso que define sua identidade. Assim, num certo sentido, o fato de um judeu transgredir é não menos uma expressão (embora negativa) de seu relacionamento com D'us que o seu cumprimento de uma mitsvá.
Na verdade, a palavra hebraica mitsvá significa tanto "mandamento" como "conexão". O relacionamento entre os dois significados da palavra pode ser entendido em dois níveis. No nível comportamental, conectamo-nos a D'us por intermédio do nosso cumprimento dos Seus mandamentos. Num nível mais profundo, estamos inexoravelmente conectados a Ele em virtude do fato de que Ele nos escolheu como objeto de Seus mandamentos. Obviamente, esses dois níveis de conexão são dois lados da mesma moeda, a face interior e a exterior da mesma verdade: nossa observância das mitsvot é a manifestação, em nossa vida cotidiana, do vínculo intrínseco entre D'us e Israel.

O elo de seis dimensões

O Zohar, a obra fundamental da Cabalá, expressa esse conceito da seguinte maneira:
Há três conexões ("kishrin") que são limitadas entre si: D'us, a Torá e Israel – cada qual consistindo em um nível acima de um nível, oculto e revelado. Há o aspecto oculto de D'us, e o aspecto revelado; a Torá, também, possui um aspecto oculto e um revelado; e o mesmo ocorre com Israel, que tem tanto os aspectos oculto quanto o revelado.
O Zohar prossegue descrevendo a maneira pela qual a Torá serve como o elo entre D'us e Israel: como a Torá é uma só com seu Divino Autor, e como o povo judeu se conecta com a Torá pelo estudo e observância dos seus ensinamentos.
Mas quais são os elementos "oculto" e "revelado" de D'us, Torá e Israel? E qual é a sua relevância para nossa conexão com D'us pela Sua Torá? O Zohar está dizendo que essas três "conexões" são interligadas em dois níveis, tanto num plano oculto como num revelado. Pois cada um dos três elos interconectados possui tanto uma dimensão explícita quanto uma implícita.
Há o aspecto assim chamado de "revelado" de D'us – aquelas expressões de Sua realidade que Ele escolheu manifestar dentro da existência criada: e há Sua essência "oculta", incognoscível. O judeu, também, tem seu ser manifesto e revelado – a maneira pela qual ele se expressa por meio do seu comportamento; e seu ser oculto, quintessencial. E a Torá, como mencionado acima, tanto tem um significado mais pronunciado quanto um mais implícito como o elo conectando D'us e Israel.
No plano "oculto", a alma do judeu está ligada à própria essência de D'us por meio do relacionamento subjacente e o compromisso que a Torá representa. Mesmo se a vida do judeu, no nível de comportamento consciente, for inconsistente com a vontade revelada do Todo Poderoso, ele é não "menos" um judeu, D'us não o permita; não importa o que aconteça, o vínculo "oculto" intrínseco que define seu Judaísmo não é afetado. Mas para expressar este relacionamento em todos os níveis de seu ser, para alinhar sua vida com sua essência, o judeu deve reiterar a conexão no nível "revelado". Isto ele faz ao estudar a Torá e cumprir suas mitsvot.

A Terceira Junção

Existe, no entanto, mais um significado profundo nas palavras do Zohar. A passagem acima citada fala de "três conexões que são ligadas entre si". A palavra aramaica traduzida aqui como "conexões" é kishrin, que significa literalmente "nós".
À primeira vista, este parece ser um uso inexato. Se a Torá é o elo entre D'us e Israel, então o que temos são três entidades (D'us, Torá e Israel) ligados através de duas conexões (a conexão de Israel com a Torá e a conexão da Torá com o Todo Poderoso). Onde temos três nós/conexões? Isso nos leva a uma segunda definição das dimensões "oculta" e "revelada" do relacionamento entre D'us e Israel. O Midrash declara:
Duas coisas precederam a Criação Divina do mundo: Torá e Israel. Mesmo assim, eu não sei qual precedeu qual. Porém, quando a Torá declara "Fale com os Filhos de Israel…", ou "Ordene aos Filhos de Israel…" e assim por diante, eu sei que Israel precedeu tudo (Tana D'vei Eliyahu Rabba, cap. 14).
Em outras palavras, D'us criou o mundo para que Israel pudesse implementar Seu plano Divino para a existência, como é delineado na Torá. Portanto, o conceito de "Israel" e "Torá", ambos precedem o conceito de um "mundo" na "mente" do Criador. Porém, qual é a "ideia" mais profundamente enraizada dentro da consciência Divina, Torá ou Israel? Israel existe para que a Torá seja implementada, ou a Torá existe para servir ao judeu no cumprimento de sua missão e a expressão do seu relacionamento com D'us? Se a Torá se descreve como uma comunicação com Israel – o Midrash está dizendo – isso presume o conceito de "Israel" como anterior àquele da Torá.
Isso significa que o relacionamento de D'us com Israel "é pré-datado" (no sentido conceitual) ao da Torá, pois a Torá veio para servir àquele relacionamento. Nesse sentido, Israel é o "elo" entre a Torá e D'us: a existência da Torá como a incorporação da Divina sabedoria e vontade é um resultado da existência de Israel e sua conexão com D'us.
Assim, temos três conexões ligando D'us, Israel e a Torá.
No nível revelado, a Torá serve como elo entre D'us e Israel: a Torá está conectada a D'us, e Israel está conectado à Torá. (Isso inclui os dois níveis de conexão delineados acima – a conexão atingida através do cumprimento de uma mitsvá e a conexão definida pelo mandamento em si).
Num nível mais profundo, mais quintessencial, existe uma terceira conexão: a conexão "direta" entre D'us e seu povo, que precede o próprio conceito de uma Torá. Nesse nível, o envolvimento de Israel na Torá é o que conecta a Torá com D'us – o que faz com que Ele estenda Seu ser infinito e inteiramente indefinível até um meio de "Divina sabedoria" e "Divina vontade". Nesse nível, não é o judeu que precisa da Torá para ser um com D'us, mas a Torá que "precisa" do judeu para evocar o desejo Divino de projetar-Se via Torá.
Apesar disso, a Torá é fundamental para o relacionamento do judeu com D'us. A essência do judeu, como está enraizada dentro da essência de D'us, é de fato uma com sua Fonte. Mas então ela "desce" para se tornar parte da existência criada, assumindo uma identidade distinta como uma alma e então como um ser humano. Portanto D'us proveu o judeu com a Sua Torá. Através da Torá, o judeu atinge seu verdadeiro ser quintessencial e torna seu vínculo intrínseco com seu Criador uma realidade na sua vida cotidiana.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Orgulho de ser judeu


O que é “ser judeu?

” Para alguns é uma das maiores dádivas que o Criador deu ao homem enquanto que para outros é motivo de desprezo, riso e até mesmo de ódio mortal!

Mas quem é o judeu? O judeu é aquele homem ou mulher que nasceram com raízes familiares voltadas para Israel.O ser judeu nos fala sobre as origens de todas as coisas, pois foi com ele que tudo começou... Avraham e os patriarcas deram início não somente a uma saga mas finalmente a uma grande história escrita por um povo que tornou-se a referência de coragem e valentia em todo o mundo...


Ser judeu é lembrar de grandes homens sábios que trouxeram para a humanidade o conhecimento acera do Eterno e de Sua palavra... Moshe dá início a esse “derramar” de conhecimento celestial na terra recebendo a Torah; Shlomo há melech recebe além do conhecimento a sabedoria que extrapola a tudo aquilo que o homem jamais vira ou ouvira em toda a terra; depois vem o maior intérprete das Escrituras que a humanidade já conheceu: Yeshua; Com ele as Escrituras são restauradas e a interpretação da Torah ganha uma nova dimensão; a dimensão não dos sábios ou eruditos, mas a dimensão do celestial que se encontra com o material. É a fusão dos céus com a terra através de um homem que é também “ben Adan”! Ser judeu é poder ser participante de algo que teve início com o Eterno desejando criar tudo aquilo que existe e consumando o seu desejo passando o primeiro shabat da história da criação ao lado do Criador – através de Adan! E o mais importante é que a cada shabat relembramos este momento tão singular em nossa história, coisa que outro povo não pode fazer pois não deseja estar numa dimensão de unidade da terra com os. 


 Ser judeu é poder estar conectado às palavras dos profetas e sábios judeus; é poder viver relembrando as palavras que vieram dos céus e que hoje a terra recebe através de milhões de judeus espalhados pelo mundo... Este privilégio é único pois fomos nós que recebemos do Eterno não somente a sua Palavra como também a oportunidade de vivermos aquilo que poucos seres humanos podem viver: a alegria de ser uma pessoa que carrega dentro de si uma centelha da eternidade que permanece acesa dia e noite em seu coração!


Ser judeu é poder estar espalhado pelo mundo influenciando-o e fazendo de tudo para que a cada dia haja um amanhã melhor... A história dos judeus no mundo surpreende e revela algo que já sabemos: eles são únicos! Por onde passam ficam sempre marcas de amor e de uma nova esperança... Assim foi no tempo dos patriarcas, dos reis e profetas e também nos tempos de Yeshua..


 Finalmente ser judeu é ser perseguido em qualquer lugar e a todo o instante... Esta tem sido a tônica de nossa história pelos séculos a fio; porém a cada grande perseguição transformamos isso numa festa: foi assim com Pessach, quando os egípcios tentaram nos matar e ganhamos a festa da libertação; foi assim em Purim quando Hamam tentou dizimar os judeus do império e falhou por que a rainha que ocupava o trono era uma judia... Finalmente temos Chanucá, quando império Romano desejou matar a alma judaica assimilando-nos e tornando-nos como os gentios... Eles somente não contavam que uma família de sacerdotes guerreiros se levantaria para “zelar” pela integridade do judaísmo e do judeu...



A SABEDORIA NOS AFASTA DO MAL

- A mentalidade mundana e pecaminosa não considera o outro, não vê no ser humano a imagem e semelhança de Deus, um semelhante, alguém que merece ser reconhecido como “coroa da criação terrena” (Sl.8:5), mas meramente alguém que pode servir de meio para a sua própria prevalência, para o seu próprio engrandecimento.

- O caminho de um filho de D’us jamais é o mesmo caminho dos pecadores. Temos um caminho diferente (Pv.1:15), um caminho que nos leva à salvação (Mt.7:13,14).

- Os que enveredam pelo caminho da perdição armam ciladas para si mesmos (Pv.1:18,19).

- A suprema sabedoria “altissonantemente clama de fora”, “pelas ruas clama a sua voz”, ou seja, há um desejo divino para que sejamos instruídos por Ele.

- O Senhor vem ao nosso encontro com este propósito de nos levar para uma vida de comunhão com Ele, para que vençamos o pecado e o mal. Por isso, vem clamar para deixemos a nossa ignorância espiritual, a nossa “simplicidade”, a nossa “loucura” (Pv.1:22) e mudemos a direção dos nossos caminhos, convertendo-nos pela repreensão divina, a fim de que, recebendo o derramamento do Espírito, possamos entender as Suas palavras (Pv.1:23).

- Grande parte dos homens não dá ouvidos ao Senhor, recusando o clamor divino, não dando atenção à mão estendida do Senhor (Pv.1:24), rejeitando o conselho e não querendo a repreensão do Senhor (Pv.1:25).

- O resultado desta recusa será a perdição, o tormento, o aperto e a angústia, da qual não poderão os homens escapar, mesmo que clamem a Deus, pois aí será tarde demais (Pv.1:26-32

Nós, seres humanos, somos peculiares.

Nós, seres humanos, somos peculiares.
Já aconteceu de você comentar com alguém
 um evento ou experiência e, ao comparar
suas impressões, descobrir que vocês dois
têm interpretações completamente diferentes
 do fato? Você sentiu-se esclarecido, estimulado,
e interessou-se completamente na ocasião,
 ao passo que seu amigo ficou "ligado" nas falhas
 dos detalhes e achou tudo aquilo trivial e desinteressante.
 A realidade é, de fato, bastante elástica. Toma a
 forma de seja qual for a interpretação que 
desejamos lhe dar. Nossa atitude e conceito
próprio ditam a maneira pela qual nos relacionamos
 com os estímulos externos, e que tipo de valor ou 
significado lhes atribuímos.

Em um sentido mais alto, o Homem é um parceiro 

de D'us na criação porque cada um de nós, segundo 
nossa personalidade única e formação do caráter, 
"criamos" nosso próprio mundo no qual vivemos.

Rabi Gifter explica: "É verdade que os olhos são

 os primeiros a induzir a pessoa a pecar; entretanto,
 os olhos verão apenas aquilo que o coração quiser ver!"
Tsitsit exige que façamos uma reflexão sobre nossos
 deveres do coração, que questionemos e desafiemos
 nossos valores, esclarecendo o modo de ver a nós mesmos.
 Colocar tsitsit nos ajuda a definirmo-nos, ao identificar a
 causa que abraçamos. Assim como o mensageiro do
 elegante hotel da cidade é identificado como
 pertencendo ao quadro de empregados (e de fato
 tem um grande senso de dignidade e honra) pelo
 uniforme e insígnia que veste, o tsitsit serve para
 marcar-nos como leais servos do Todo Poderoso 
Criador do universo. São vestes da realeza.chabad.

Por: Tila Dubrawsky

Uma mulher “feminista” indaga a um rabino renomado de barba longa e chapéu preto, o que é que a esposa dele faz. O rabino responde que ela cuida de um lar para oito crianças carentes, dedicando-se inteiramente às suas necessidades, preenchendo para elas o papel de mãe, conselheira, professora e assistente social. A mulher fica impressionada. Finalmente ela encontra uma esposa de rabino que foge do estereotipo, que não é “presa” em casa, que tem uma carreira.
A conversa continua e a mulher percebe que as oito crianças são do rabino e sua esposa e o lar que ela cuida é o seu próprio. Ela fica indignada. Sente-se iludida. O rabino ouve e sorri. Ele diz: “Enquanto pensa que minha esposa dirige um lar para outros, está tudo bem, você a admira. Já quando sabe que o lar que ela administra é o seu próprio, sua estima por ela diminui. Isso é lógico?”
Edificar um lar e ser mãe é uma carreira digna de louvor. Trazer filhos ao mundo e educá-los para serem sãos, íntegros e bem equilibrados de corpo e espírito é contribuir concretamente e positivamente para o bem da humanidade. E quer saber de uma coisa? Satisfaz de verdade a nossa necessidade e desejo de realizar algo importante nesta vida.
Não confundamos a edificação de um lar com o governo de uma casa. Enquanto dá para contratar ajuda para limpar e arrumar uma casa, fazer um lar significa determinar o ambiente, impulso e caráter da casa e é um desafio que cada indivíduo tem que enfrentar pessoalmente. Uma mulher pode querer ou precisar ter uma carreira fora de casa, isso não é problema. No entanto ela tem que saber que o sucesso do seu lar vai depender do quanto do seu potencial ela investir dentro de seu lar.
Biná yeteira nitna baisha. (Nida 45 b). Nossos sábios dizem que mulheres foram dotadas com mais compreensão. Esta qualidade lhes dá a habilidade de conectar idéias e tecer valores abstratos e princípios espirituais dentro da palpável textura do ambiente do lar. Sem minimizar o papel do marido em cultivar o judaísmo no lar, é a mulher, a akeret habayit (alicerce do lar) que nutre e molda esta atmosfera no dia-a-dia.

Aprendi que o amor chega na hora exata.



Aprendi que o amor chega na hora exata.
 Que a maturidade vem aos poucos.
 Que a infantilidade só vale a pena se for pra fazer a gente rir.
 Que família é tudo.
 Que amigos bons e sinceros são poucos.
 Que cuidar da minha vida é sempre a melhor opção.
 Que dias melhores sempre virão.
 Que na vida, tudo vale a pena.
E principalmente que minha felicidade depende muito das escolhas que eu faço!

Voar....

“ Não existe maior
bem do que
fazer a felicidade
de alguém.
Nem nada 
menos caro,
nem mais fácil,
pois a felicidade
é algo que se
pode oferecer
em gestos,
e atenções.”

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Psicossomático:


O empresário tinha passado um dia difícil no trabalho, e estava ansioso para jantar num restaurante a fim de relaxar. Um garçom aproximou-se dele. Enquanto desabotoava a camisa e soltava a gravata, o homem pediu seu prato favorito e acrescentou: “Se for possível, diminua o aquecimento.” O garçom concordou e dirigiu-se à sala dos fundos.
Quando retornou com o prato, o garçom notou que o homem estava vestindo o casaco. Reagindo à expressão de surpresa do garçom, o homem explicou que tinha ficado frio demais! O garçom dirigiu-se novamente à sala dos fundos.
Pouco depois, o cliente tocou a sineta para chamar a atenção do garçom. Este atendeu educadamente. “Desculpe por incomodá-lo novamente, mas agora está quente demais!” Com uma paciência aparentemente interminável, o garçom sorriu concordando e mais uma vez foi até a sala dos fundos.
Uma senhora idosa, sentada à última mesa no fundo do salão, testemunhara toda a cena. Olhou perplexa para o garçom e disse: “Ele está te deixando louco, não?”
O garçom deu uma piscadela. “Ele é que está ficando louco. Não estou fazendo nada na sala dos fundos!”

Pudim de Abacaxi

2 pacotes de gelatina de abacaxi
1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite
1 vidro de leite de coco
1 abacaxi médio cozido
1 xícara de açúcar

Prepare a gelatina de acordo com as instruções da embalagem e deixe esfriar
Pique o abacaxi e cozinhe com 1 xícara de açúcar por 15 minutos
Bata no liquidificador o leite condensado, o creme de leite, o leite de coco e metade do abacaxi cozido
Junte a gelatina e torne a bater
A outra metade do abacaxi cozido, coloque no fundo da forma para decorar
Coloque em forma para pudim e leve à geladeira para ficar firme

Oração judaica.

A oração judaica é uma oração que ultiliza o idioma hebraico da Tora, que reflete o espirito judeu. É uma réza que expressa os valores fundamentais do povo judeu e afirma os artigos basicos da fé judia, reflete nossa experiencia historica, expressa nossas aspirações para o futuro. Quando a oração de um judeu não reflete um desses componentes, ele pode estar orando, mas não poderá afirmar-se que esta orando como judeu.
Um judeu pode escolher suas proprias palavras quando órar a D'us, mas quando ultiliza as palavras do Sidur, torna-se parte do povo judeu. Deste modo identifica-se com os judeus de todo o mundo, que ultilizam identicas palavras e expressam os mesmos sentimentos. Assim, afirma o principio de mútua responsabilidade e preocupação. Ocupa seu lugar desde o alvorecer da historia ao vincular-se com Abraão, Isaac e Jacob. Reafirma seus direitos a um futuro judaico neste mundo e á redenção pessoal no mundo vindouro.
Tudo que tem de peculiar a teologia judaica, tudo que tem de especial os valores judaicos, tudo que tem de singular a historia judaica-tem também as preces judaicas.

Sorvetão de bis.


Ingredientes.


-1 litro de sorvete sabor creme (ou da sua preferência)
-3 a 4 caixas de chocolate Bis branco e preto
(a quantidade exata de Bis vai depender do tamanho da sua forma).

-1 Receita de Brigadeiro
-1 forma de fundo removível (usei forma de 20cm)
-Opcional: 1/2 creme de leite s/ soro ou de 1/2 caixinha

Faça a sua receita de brigadeiro (no fogão/microondas) ou se preferir compre 1 lata de brigadeiro pronta! Enquanto o brigadeiro resfria, pique 2 caixas de chocolates Bis. 

Montagem:

Para montar o sorvetão você vai precisar de uma forma de fundo removível, elas são de alumínio e de baixo custo.

- Intercale Bis Preto e Bis Branco ao redor da forma.
- Forre o fundo da vasilha com Bis picado.
- Camada de Sorvete (fica mais fácil se você deixar o sorvete amolecer um pouco, não tão gelado).
- Outra camada de bis.
- Camada de sorvete e brigadeiro por cima
- Finalize camada de Sorvete e leve ao freezer para gelar por 3 a 4 horas.
- Depois de gelado desenforme.
- Enfeite com uma fruta vermelha para colorir e sirva 15 minutos após retirar do freezer, para servir não muito congelado. 

Dica:
- Caso você não tenha uma forma de fundo removível, uma boa dica para desenformar, mais facilmente, é: Forre o fundo de uma forma tradicional, com plástico filme, use uma metragem maior a fim de que ele fique pra fora da forma. Monte o sorvetão e após 'congelado', retire-o com o auxílio do plástico, puxando-o para fora da forma.

Sucesso



Aprenda a ter sucesso no turbilhão da vida,
 a viver sem causar dor aos outros e a sofrer
 você mesmo a dor. Todos devem cooperar e trabalhar com
 amor e devoção. Tolere todos os tipos de pessoas e opiniões
, todas as atitudes e peculiaridades. Diferença de opinião entre
 as pessoas deve ser percebida e resolvida como os dois 
olhos cada um dando uma visão diferente do mesmo objeto;
 ambos que, quando coordenados, dão uma imagem completa,
 aperfeiçoada. Examine tudo que ouve e acredite apenas
 no que o atrai como correto.

Buscando no silêncio o som dos pássaros.


Alcançando a altura exata,

 cria na mente um cenário,, 
uma visualização dos pássaros na copa
 da arvore, crio rios, flores, arbustos,
 mato, borboletas, diferentes tipos de
 canto dos pássaros, diferentes especies.
Hoje eu afirmei: -Vou costurar a minha imaginação!
 Ela só aumenta, não para de criar aceleradamente;
 tem horas que vou tão longe em meus pensamentos,
 que já dei a volta no mundo cinco vezes.
A base de tudo é o Amor. 
Como se define o Amor? Em um sentimento de paz,

 carinho, bem estar, felicidade ou(e) prazer?
Também envolve, mas é importante lembrarmos

 que o sentimento (Amor) é uma energia e essa
 energia cria um campo magnético perfeito de
 proteção e o que chamamos de Vida! 

O amor.

O amor não age com interesses;
 o egoísmo é falta de amor.
 O amor vive de dar e perdoar e
 o egoísmo vive de tomar e esquecer.

A amizade.

"A AMIZADE É UM SENTIMENTO CONCRETO, 
ABSOLUTO E SEM IGUAL.
SOMENTE AQUELES QUE ENTENDEM O VALOR

 DE UMA SINCERA AMIZADE,
SÃO CAPAZES DE LER O QUE SE PASSA

 NO CORAÇÃO DO SEU PRÓXIMO.
COM ELA, APRENDEMOS A AMAR E 

A PERDOAR, DAR SEM RECEBER,
SEMEAR A ESPERANÇA SEM DAR-SE

 CONTA DO QUE SE FAZ.
... E SABE PORQUE TUDO ISSO ACONTECE?
"PORQUE ONDE HÁ FÉ E ESPERANÇA, SONHO

 SEM SAIR DA REALIDADE,
HÁ AMOR COMPAIXÃO E O MAIS IMPORTANTE:

 PUREZA DE ESPÍRITO"."

A prova.


Quantas vezes pensamos que nossa vida está uma bagunça, que parece um
rascunho rabiscado. Mas, podemos mudar isso e passar esse rascunho a
limpo.

Hoje trago uma mensagem para que possamos refletir esse aspecto.


Reflitam!!



Certo dia eu estava aplicando uma prova, os alunos, em silêncio tentavam responder as perguntas com uma certa ansiedade.


Faltavam uns 15 minutos para o encerramento e um aluno levantou o braço,se dirigiu a mim e disse:


- Professora, pode me dar uma folha em branco ?


Levei a folha até sua carteira e perguntei porque quer mais uma folha em branco.


Ele respondeu:


- Eu tentei responder as questões, rabisquei tudo, fiz uma confusão danada e queria começar outra vez.


Apesar do pouco tempo que faltava, confiei no rapaz, dei-lhe a folha Em branco e fiquei torcendo por ele.


Aquela sua atitude causou-me simpatia.


Hoje, lembrando aquele episódio simples, comecei a pensar quantas
Pessoas receberam uma folha em branco, que foi a vida que D'us lhe deu
até agora, e só tem feito rabisco, confusões, tentativas frustradas e
uma Confusão danada...


Acho que, agora, seria um bom momento para se pedir a D'us uma folha Em branco; uma nova oportunidade para ser feliz.


Assim como tirar uma boa nota depende exclusivamente da atenção e
Esforço do aluno, uma vida boa, também depende da atenção que dermos aos
ensinamentos do professor nosso D'us.


Não importa qual seja sua idade, condição financeira, religião, etc...


Levante o braço, peça uma folha em branco, passe sua vida a limpo.


Não se preocupe em tirar 10 (dez), ser o melhor, preocupe-se apenas em Ter a simpatia do Mestre.


Ele está mais interessado em quem pede ajuda, portanto, só depende de você.


Que o Senhor te abençoe, guarde a tua vida e te dê a Paz.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Nem que seja além dessa vida, Eu vou estar Te esperando.


Mesmo que você não caia na minha cantada
Mesmo que você conheça outro cara
Na fila de um banco
Um tal de Fernando
Um lance, assim
Sem graça

Mesmo que vocês fiquem sem se gostar
Mesmo que vocês casem sem se amar
E depois de seis meses
Um olhe pro outro
E aí, pois é
Sei lá

Mesmo que você suporte este casamento
Por causa dos filhos, por muito tempo
Dez, vinte, trinta anos
Até se assustar com os seus cabelos brancos

Um dia vai sentar numa cadeira de balanço
Vai lembrar do tempo em que tinha vinte anos
Vai lembrar de mim e se perguntar
Por onde esse cara deve estar?

E eu vou estar te esperando
Nem que já esteja velhinha gagá
Com noventa, viúva, sozinha
Não vou me importar

Vou ligar, te chamar pra sair
Namorar no sofá
Nem que seja além dessa vida
Eu vou estar
Te esperando



Preciosidade.


Muitos olham pra você e não conseguem ver,o teu valor.
Te criticam,te desprezam por não conhecerem seu interior,
Mas não sabem a história linda que D'us escreveu para sua vida,simplesmente uma pedra preciosa no meio do barro porém escondida,mas o garimpeiro tanto, tanto insistiu,que no meio do barro ele viu a pedra escolhida.


Não ouça o inimigo esta dizendo você já perdeu pois você é uma preciosidade garimpada por D'us,quem olha o seu exterior não vê nenhum valor mas quem sabe o quanto você vale é o lapidador

Tirou você do barro das aguas do espírito lavou
Entre os cascalhos uma pedra linda
O Senhor achou um diamante bruto
Que caiu nas mãos do lapidador

D'us não vê como o homem vê,você tem valor.
Quantas vezes maltratado,perseguido e humilhado
Mas você tem valor,esquecido,desprezado,traído e machucado
Mas você tem valor,
Preciosidade jamais esquecida pelo seu Criador,
Entre o chamado tu és escolhido amado do Senhor.
Você é Amado do Senhor.

Quantas vezes....

 Esta é uma musica que ouvi, muito linda que fala na alma.... 

terça-feira, 21 de maio de 2013

Um homem inteligente falando das mulheres....



Tenho apenas um exemplar em casa,
que mantenho com muito zelo e dedicação,
mais na verdade acredito que é ela quem me mantém.
Mulher vive de carinho.
Dê-lhe em abundância.
É coisa de homem sim, e se ela não receber de você vai pegar de outro.
Beijos matinais e um EU TE AMO no café da manhã as mantém viçosas e
 perfumadas durante todo dia.
Flores também fazem parte de seu cardápio, mulher que não recebe flores,
murcha rapidamente e adquirem traços masculinos como a rigidez e brutalidade.
Respeite a natureza. Você não suporta TPM?
Case-se com um homem. Mulheres menstruam, choram por nada, gostam de falar do próprio dia.
 Não faça sombra sobre ela. Se você quiser ser um grande homem tenha uma mulher ao seu lado,
 nunca atrás. Assim, quando brilhar, você vai pegar um bronzeado.
Porém, se ela estiver atrás, você vai levar um pé na bunda. Aceite:
 Mulheres também têm luz própria e não dependem de nós para brilhar.

O homem sábio alimenta os potenciais da parceira e os utiliza para movimentar os próprios.
 Ele sabe que, preservando e cultivando a mulher, ele estará salvando.
É, meu amigo, se você acha que mulher é caro demais, fique sozinho
Só tem uma mulher quem pode!
 (Luis Fernando Veríssimo)

Não sei!

Hoje eu só queria que D'us sentasse ao meu lado
 e me desse seu colo por alguns instantes,
 pra que eu pudesse entender porque a vida é
 tão difícil as vezes, e porque eu nunca consigo
 ser melhor do que posso ser....
 Porque? tem sempre alguma coisa me segurando!
 Não sei....
Não sei tudo que eu acreditava! não era! não é! 
Porque é tão difícil assim? O meu sonho acabou,
 acordei muito rápido, foi lindo, foi perfeito,
 foi só um sonho, acabou.........  

Sentimentos

SILENCIO DE UM AMOR


O frio se fazia intenso, e o vento
era como uma cortina de gelo
se contorcendo, congelando ainda mais o seu corpo
que clamava pelo calor do corpo dele.

A noite caminhava, pelas longínquas estrelas do céu,
indiferente aos olhos que as fitavam.
Ela mais do que nunca, sentiu a solidão que a esmagava,
E o frio que vinha de sua alma, era cortante,
a deixava entorpecida.

Agora sabia que o amor quando se vai
deixa um vazio que nada preenche.
Chamou por ele, não houve resposta.
Nunca mais o teria. E ela chorou, deixou-se doer,
desfez-se em versos tristes, e virou poesia.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Liturgia judaica

Judeus observantes orar nos cultos formais três vezes por dia, todos os dias: a noite (Maariv), no período da manhã (Shacharit), e na parte da tarde (Minchá). Orações diárias são coletados em um livro chamado um Sidur, que deriva da raiz hebraica que significa ordem, porque o sidur mostra a ordem das orações. É a mesma raiz da palavra seder , que refere-se à Páscoa de serviço local.
Sem dúvida mais antiga nossa oração diária fixa é a Sema. Isto consiste em Deuteronômio 6,4-9 , Deuteronômio 11,13-21 , e Números 15,37-41 . Observe que o primeiro parágrafo nos ordena a falar destes assuntos ", quando você se aposentar e quando surgir". Desde os tempos antigos, este mandamento foi cumprido por recitar o Shema duas vezes ao dia: manhã e noite.
O próximo grande desenvolvimento na oração judaica ocorreu durante o exílio babilônico, no século 6 aC As pessoas não foram capazes de sacrificar no Templo naquele tempo, então eles usaram a oração como um substituto para o sacrifício. "As ofertas dos nossos lábios, em vez de touros", como disse Oséias. As pessoas se reuniram para orar três vezes por dia, correspondentes a duas da manhã e da tarde sacrifícios diários ea queima do que sobrou dos sacrifícios à noite. Houve um momento de oração adicionais sobre sábados e certos feriados , para corresponder aos sacrifícios adicionais daqueles dias. Alguns sugerem que este pode já ter sido uma prática comum entre os piedosos antes do Exílio.
Depois do exílio, esses serviços diários de oração continuou. No quinto século aC , os Homens da Grande Assembléia compôs uma oração básica, que abrange tudo o que você poderia querer orar. Este é o "Shemoneh Esrei", o que significa 18 e refere-se aos 18 bênçãos originalmente contidos na oração. É também referida como a Amidá (em pé, porque nós estamos, enquanto nós recitá-lo), ou Tefilá (oração, como na oração, porque é a essência de toda a oração judaica). Esta oração é a pedra angular de todo o serviço judaica.
As bênçãos do Esrei Shemoneh pode ser dividido em três grupos: três bênçãos louvando a Deus, fazer solicitação 13 (perdão, redenção, a saúde, a prosperidade, a chuva no seu tempo, reunião dos exilados, etc), e três expressar gratidão e tendo sair. Mas espere! Que é de 19! E não estamos apenas dizer que esta oração é chamada de 18?
Um dos pedidos 13 (um contra hereges) foi adicionado ao redor do segundo século dC , em resposta à crescente ameaça de heresia (principalmente o cristianismo), mas, nesse momento, a oração já foi conhecida como a Esrei Shemoneh, eo nome ficou, embora houvesse agora 19 bênçãos.
Outra parte importante dos serviços de oração certos é uma leitura da Torá (5 primeiros livros da Bíblia) e os Profetas. A Torá foi dividido em seções, de modo que se cada uma dessas seções é lido e estudado por uma semana, podemos cobrir toda a Torá em um ano a cada ano (isso funciona bem nos anos 13 meses bissextos, mas em 12 meses anos regulares que dobrar porções menores em algumas semanas). Em vários momentos da nossa história , os nossos opressores não nos permitem ter leituras públicas da Torá, para que ler uma seção que corresponde aproximadamente a partir dos Profetas (referido como um Haftarah). Hoje, lemos tanto a parte da Torá e da porção Haftarah. A Torá é lido às segundas-feiras, quintas-feiras, sábados , e algumas "férias" (incluindo jejuns). A Haftará é lido em alguns sábados e feriados. A Torá e Haftará leituras são realizadas com grande cerimônia: a Torá é desfilaram ao redor da sala, antes de ser trazido para descansar no bimah (pódio), e é considerado uma honra ter a oportunidade de recitar uma bênção e fazer a leitura ( esta honra é chamado uma aliá). Para mais informações, consulte leituras semanais da Torá .
Este é o coração do serviço de oração judaica. Há alguns assuntos outros que devem ser mencionados, no entanto. Há uma longa série de manhã bênçãos no início do serviço de manhã. Algumas pessoas recitar desses em casa. Eles lidam com uma série de preocupações com a obtenção de manhã, e as coisas que somos obrigados a fazer diariamente. Há uma seção chamada Pesukei d'Zemira (versos de canção), que inclui uma série de salmos e hinos. Alguns gostam de pensar nele como um warm-up, ficando você no clima para a oração da manhã.
Há também algumas orações particularmente significativas. O mais importante na mente popular é o Kaddish , a oração única grande em aramaico, que louva a Deus. Aqui está uma pequena parte, em Inglês:
Que Seu grande nome crescer exaltado e santificado no mundo que Ele criou como quis. Ele pode dar asas à sua realeza em suas vidas e em vossos dias, e nas vidas de toda a família de Israel, rapidamente e em breve. Que Seu grande nome seja abençoado para sempre e sempre. Bendito, louvado, glorificado, exaltado, exaltado, poderoso. . .
Existem diversas variações sobre ele para diferentes tempos no serviço. Uma variação é reservado para os enlutados a recitar, a congregação apenas fornecer as respostas necessárias. Muitas pessoas pensam que o Kadish como uma oração enlutado, porque o filho mais velho habitualmente recita-lo por um determinado período após a morte de um pai, mas na verdade é muito mais amplo do que isso. Parece que originalmente se separou cada parte do serviço, e uma rápida olhada em qualquer livro de oração ou o nosso esquema abaixo mostra que é recitado entre cada seção, em gerações recentes, tornou-se a ser utilizado como uma oração enlutado, mesmo fora no contexto dos serviços de oração formal ou estudo da Torá.
Outra oração popular é Aleinu, que a maioria das pessoas recitar ou perto do final de cada serviço, embora seja requerida apenas dentro Mussaf em Rosh Hashaná . Ele também louva a Deus. Aqui é um pouco do que em Inglês, para lhe dar uma idéia:
É nosso dever, para louvar o Senhor de tudo, atribuir grandeza ao Molder da criação primordial, pois Ele não nos fez como as nações das terras. . . Portanto, nós colocamos a nossa esperança em você, Adonai nosso Deus, para que possamos ver em breve o seu esplendor poderoso. . . Naquele dia, Adonai será Um e seu nome será um.
Em determinados feriados, também recitar Hallel, que consiste dos Salmos 113-118.
Muitos feriados tem adições especiais para a liturgia. Veja Yom Kippur Liturgia para adições relacionados a esse feriado.
Esboço de Serviços
Há algumas outras coisas, mas essa é uma idéia muito boa do que está envolvido. Aqui é um esboço da ordem dos serviços diários:
1. Serviço noite (Maariv)
a. Sema e suas bênçãos
b. Kadish
c. Silenciosa Amidá (oração em pé)
d. Kadish
2. Serviço de manhã (Shacharit)
a. Kadish
b. Sema e suas bênçãos
c. Amidá
d. Kadish
e. Hallel, se for o caso
f. Torá leitura (segundas, quintas, sábados e feriados), seguido de Kadish
g. Ashrei ( Salmo 145 ), e outras orações de encerramento, Salmos, e hinos (não aos sábados e feriados; recitado no final de Mussaf vez nesses dias), seguido de Kadish
3. Serviço adicional (Mussaf) (sábados e feriados apenas; recitou imediatamente após Shacharit)
a. Amidá
b. Kadish
c. orações finais, Salmos, e hinos
d. Kadish
4. Serviço tarde (Minchá)
a. Ashrei ( Salmo 145 )
b. Kadish
c. Amidá
d. Kadish
Variações de movimento para movimento
A descrição acima é de acordo com a prática ortodoxa. O serviço de reforma, embora muito menor, segue a mesma estrutura básica e contém versões mais curtas as mesmas orações, com algumas mudanças significativas no conteúdo (por exemplo, em uma bênção do Esrei Shemoneh, em vez de louvar a Deus que "dá vida ao mortos ", eles louvar a Deus que" dá vida a todos ", porque eles não acreditam na ressurreição). A versão conservador é muito semelhante à versão ortodoxa e contém apenas pequenas variações no conteúdo das orações (semelhante ao exemplo de Reforma). Veja Movimentos do judaísmo para saber mais sobre a distinção teológica entre ortodoxos, conservador, Reforma e.
Há algumas diferenças significativas na forma como os serviços são realizados em diferentes movimentos:
1. Em ortodoxos, mulheres e homens estão sentados separadamente, em Reforma e Conservador, todos se sentam juntos. Veja O Papel das Mulheres na Sinagoga .
2. Em Ortodoxa e geralmente conservador, tudo está em hebraico. Na reforma, a maioria é feita no idioma local, embora eles estão usando cada vez hebraico.
3. Em Ortodoxa, a pessoa que conduz o serviço está de costas para a congregação, e ora enfrentam a mesma direção da congregação, em reformistas e conservadores, a pessoa que conduz o serviço enfrenta a congregação.
4. Conservador e Reforma são bastante rigidamente estruturado: todo mundo mostra-se, ao mesmo tempo, deixa, ao mesmo tempo, e faz a mesma coisa, ao mesmo tempo, é um pouco mais ortodoxa de forma livre: as pessoas mostram-se quando elas aparecem, apanhar a todos os outros em seu próprio ritmo, muitas vezes, fazer as coisas de forma diferente do que todo mundo. Isto é difícil se você não sabe o que está fazendo, mas uma vez que você tem uma alça sobre o serviço, você pode achar que é muito mais confortável e inspirador do que tentar ficar em uníssono.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

- CHAG SEMEACH SHAVUOT !!!!


- Shalom Shalom 
- Ao Por do Sol de hj 15-05 , Será o (50* Dia (Yom))
 e estaremos comemorando Shavuot .... Primicias de Shavuot -
 (Final de Primavera e inicio de Verão em Yisrael )!
- CHAG SEMEACH SHAVUOT !!!!
- Hj sendo o 6* Yom do 3* Més (Siván), e Shavuot no 7*
 Yom de Sivan ..... Halelu YAH !!