sexta-feira, 11 de julho de 2014

Mulheres na batalha Espiritual

Nós mulheres temos temos um papel muito importante na batalha espiritual pelas nossas casas, porém:

1-Sabemos que muitas mulheres que estão buscando o Eterno e o Judaísmo não têm seus maridos seguindo o mesmo padrão.


2-Alguns maridos não se opõem à fé de sua esposa, mas não buscam ao Eterno.


3-Ou têm maridos que não têm o mesmo padrão espiritual.


4-E algumas têm maridos que além de se oporem à sua fé, se envolvem em assuntos contrários à Torá.
Nestas situações, precisamos de sabedoria e instrução Divina.Neste estudo iremos dar um enfoque especial em maridos que se envolvem em assuntos contrários à Torá.
No livro do Rabino
Shalom Arush, “ A sabedoria da Mulher”, ele nos instrui a construirmos um muro de defesa, se o nosso marido estiver envolvido em assuntos contrários à Torá como negócios escusos, drogas ou envolvido em jogos, práticas essas extremamente prejudiciais não somente a vida dele, mas à família.
Muitas vezes o marido está envolvido com práticas erradas e passando por situações difíceis e a mulher, nem sempre percebe isso. Ela só irá discernir o problema se for uma mulher que está sintonizada com o Eterno. E é através dessa sintonia e percepção da presença Divina, que o Eterno terá como mostrar a situação e orientar quais atitudes tomar.
Se servimos ao Eterno, com certeza Ele não permitirá que sejamos enganadas ou que estejamos envolvidas em situações difíceis sem que Ele nos avise, porque o Eterno cuida dos seus.
"Pois quem se abriga sob a sabedoria terá também a cobertura do dinheiro, e o valor do conhecimento preserva a vida de quem o possui." Eclesiastes 7:12

Felizes para sempre !


O que é tão sagrado quanto Yom Kipur, mais espiritual que a meditação e a melhor coisa que você pode fazer pela sua vida amorosa?
Você pode não acreditar, mas a resposta é o micvê – o antigo método judaico de orientar o relacionamento íntimo entre marido e mulher."
Existe amor depois do casamento? É realisticamente possível conservar a paixão e o entusiasmo num relacionamento com um parceiro por mais que alguns poucos anos? Como os judeus adquiriram uma reputação para famílias amorosas, seguras, calorosas, que durante gerações desfrutaram uma longevidade invejável?
Um dos maiores desafios do casamento moderno é o tédio da rotina. Não é fácil – o que explica por que tantos homens não conseguem se comprometer – (com somente uma parceira pelo resto da vida!")
Não importa o quanto sua lua-de-mel tenha sido fantástica, cedo ou tarde o tédio tende a se instalar. Por fim, inevitavelmente, muitos casais passam a não dar valor a seu cônjuge. Procura então por algo novo ou diferente e não demora muito acabam por se afastar cada vez mais até a relação acabar em divórcio.
Para os outros que ficam juntos suportando-se mutuamente, todos terminam por viver "vidas de desespero silencioso".
Não deixa de ser uma surpresa saber que muito antes de experts nesta área, nossos sábios instruiam nosso povo a adotar o plano Divino promovendo a qualidade no casamento, impedindo o tédio de destruir um bom casamento.
Uma das mitsvot da Tora é a Pureza Familiar, Taharat Hamishpachá. Na época do mês em que a mulher espera seu período menstrual, ela não tem qualquer forma de intimidade física com o marido. Na conclusão do seu período, ela conta sete dias e então mergulha em um micvê para santificação espiritual. O micvê é uma piscina limpa, com água aquecida, num ambiente agradável e privado, construído segundo rigorosos padrões haláchicos. Após esta imersão total, ela e o marido podem voltar ao relacionamento íntimo.
Os Sábios do Talmud declaram a esse respeito: Por que a Torá desejou que uma esposa ficasse separada de seu marido por um período mínimo de 12 ou mais dias? Para torná-la tão desejável a ele como no dia de seu casamento. (Talmud Niddah, 31b).
Os terapeutas atuais estão aconselhando casais a "estabelecerem um tempo para o romance". Porém a nossa geração vive uma vida frenética. Com freqüência os dois parceiros têm carreiras exigentes, profissões e compromissos de negócios.
Com o sistema do micvê, há uma semana inteira de aviso antecipado sobre quando a intimidade será retomada. A noite do micvê, assim, torna-se aquela hora pré-estabelecida para o romance, quando todos os outros compromissos são remarcados. Marido e mulher estão contando os dias, esperando pelo outro, antecipando ansiosos o momento do reencontro. Ambos estão sintonizados e ansiosos pelo encontro onde as paixões são reacendidas.
O amor é um ingrediente vital no desejo. Para os seres humanos, a intimidade não é questão de quantidade como no reino animal, mas sim de qualidade. Se há pouca qualidade no relacionamento, se a intimidade não é o clímax de um vínculo emocional, pode haver pouca satisfação, ou apenas momentânea. Não há esplendor, expectativas, preparação, nenhuma sensação de ser amado, e ficamos emocionalmente vazios, ainda desejando o calor e a segurança que ansiamos.
Taharat Hamishpachá (pureza familiar) é o segredo da sobrevivência da família judaica porque traz paz, harmonia e tranqüilidade ao casal, além de bênçãos para os filhos e para as futuras gerações.

E se der tudo errado?


Por que D'us diz a você como se divorciar se Ele acredita no casamento?
Não apenas Ele acredita no casamento, como acredita que você deveria estar casado, e Ele deseja que você fique casado com a pessoa com quem se casou.
Por que, então, Ele permite que você se divorcie? Não apenas o permite, como lhe diz como fazê-lo?
Como ocorre com todas as instruções de D'us na Torá, divorciar-se é uma mitsvá, um Mandamento Divino. De fato, Suas instruções sobre o divórcio são muito explícitas. Mas por quê?
Porque, tendo dado Suas instruções sobre o casamento, D'us não o abandona quando você está em dificuldades. Por ser Ele misericordioso e compassivo, bom e atencioso, Ele lhe dá um segundo conjunto de instruções no caso de você não seguir o primeiro.
É como se D'us lhe dissesse: "Esta é a pessoa que selecionei para você, a pessoa com quem quero vê-lo casado. Não pode?  É muito sofrimento?  Então não o faça. Deixe-a. Mas quando o fizer, por favor, feche a porta atrás de você."
Portanto, Ele não apenas nos diz que podemos nos divorciar, mas diz-nos como: "Aqui está o Mandamento Divino sobre como entrar, e aqui está outro Mandamento Divino sobre como sair."
D'us espera que você esteja casado, e com a pessoa que Ele escolheu para você. Mas Ele é compassivo e compreende quando você Lhe diz que é difícil demais. Talvez Ele tivesse a intenção de que você se casasse e depois caísse fora; talvez as leis para o divórcio sejam sua "válvula de escape."

Não.

D'us deseja que você fique casado. Mas se não puder, se é muito difícil para você, Ele entende, e Ele o ajudará.

Isso quer dizer que o casamento foi um erro? Você apostou, perdeu, agora admite isso e sai do casamento? Você cometeu um engano e agora D'us está lhe dizendo como consertá-lo?

Errado de novo.

Seu casamento não foi um erro. Estava programado desde o início dos tempos. Quando D'us criou sua alma, há seis mil anos, Ele criou seu "prometido" junto com você.
Você está casado com a pessoa com quem desejava estar. D'us arranjou isso. Ele arrumou tudo: Ele predestinou isso desde o começo. Em outras palavras, Ele tem certeza de que esta é a maneira que Ele deseja.
A razão pela qual D'us permite o divórcio, e ordena o divórcio, é porque ao fazê-lo, Ele o está ensinando como estar casado.
Portanto, embora D'us tenha regras, embora Ele tenha leis, embora Ele tenha os Mandamentos Divinos, quando você peca, Ele lhe diz; "Fez tudo errado? Tente outra vez. Cometeu um erro e o admite? Não se preocupe: fará melhor na próxima vez. Já errou dez vezes? Peça perdão, e Eu o perdoarei dez vezes."
É exatamente assim que você deveria ser casado - tratando seu cônjuge do modo que D'us trata você. Com toda aquela misericórdia e compaixão; toda aquela bondade e consideração.
Sua esposa fez isso a você outra vez? Perdoe-a novamente. Ela o fez dez vezes? Perdoe-a dez vezes.
Seja tão comprometido em fazer este relacionamento durar como D'us tem estado comprometido em fazer Seu relacionamento com você durar. 
A moral é, oferecendo ajuda quando você se divorcia, D'us está ajudando você a estar casado para sempre.
Amém.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Amor, esposo, filhos e responsabilidades...

Amor talvez seja um assunto mais abstruso para se falar, por ser um pouco "complexo"; você espera todo um tempo para encontrar sua alma gêmea, e pela primeira vez acha que por algum momento a encontrou, mas é surpreendida!!! A constituição de família e a continuidade da espécie é uma mitsváh (mandamento), ''espero um dia ser abençoada para conseguir cumpri-la com excelência e ser uma Eshet Chayil na vida do meu futuro marido''... a Torah explica que, enquanto HaShem criava o mundo, Ele revia o seu trabalho diariamente e afirmava: “Esta bom”; há apenas uma vez em que Ele disse: “Não está bom”; foi quando depois que criou Adan, HaShem afirmou: “Não é bom que o homem esteja só” (segundo mostra Bereshit- Gn 2:18)!! O Eterno não pretendeu dar nesse trecho uma revelação Divina sobre a solidão; segundo a midrash, a frase implica tudo aquilo que havia sido previamente considerado bom, não seria bom de verdade se vivido por uma só pessoa; o que seria: o Paraíso somente é Paraíso quando compartilhado com outra pessoa!! O mundo descreve o casamento como sendo algo ruim ou inútil, porem a Torah é claro em ser alerta sobre a condição de solteiro; o Talmud estabelece inequivocamente que: “quando um homem não tem uma esposa, vive sem alegrias, sem benções sem bens”; além disso, uma pessoa solteira é considerada “deficiente”, e incompleta; lembrem-se só Chavah completou o dia de Adan!! É amigos, esse é um dos motivos, porque toda mãe judia pressiona constantemente seus filhos para que se cassem; é mais do que um fenômeno cultural, isso está enraizado na religião judaica!!! Foi a Torah que fez com que o casamento deixasse de ser uma opção para ser uma mitsváh (mandamento), pois está escrito: “Portanto deixará o homem o seu pai e sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne” (Bereshit- Gn 2:24)!! Pessoas não-judias podem dizer que um solteiro é alguém que não quer cometer erros, mas os judeus insistem que o solteiro é um pecador que ainda não teve o bom senso de compreender que dois é melhor que um!! Elucidando melhor a ideia do que é alma gêmea, as mulheres procuram por um homem ideal; e os homens buscam mulheres perfeitas; pena que eles não saibam o que já está decretado diante do Eterno!! O Talmud ensina: “Quarenta dias antes da criação de uma criança, uma voz celestial declara: essa e essa filha para esse e esse filho”!! Segundo a tradição mística (Kabalah), noiva e noivo estão predestinados um para o outro; portanto, amor à primeira vista significa, de verdade, que duas almas estão respondendo uma a outra, baseadas em um conhecimento intuitivo superior, as almas do casal em que realmente combina derivam de uma só essência de alma, estando destinados a se unirem em matrimonio!! Nós devemos direcionar nossas tefilot diárias, para que HaShem guarde a alma gêmea e que possamos ser apresentados na hora determinada por Ele, sem ser confundida!!

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Costumes judaicos na gravidez.


Foto tirada em, 20-01-2008.
Os meses de gravidez são uma época muito valiosa e delicada. Como certamente seu médico já informou, a atitude, comportamento e opções nutricionais da mãe durante este período têm um profundo impacto sobre a saúde e futuro desenvolvimento do feto. Recentes estudos médicos também apontam os efeitos do ambiente físico e emocional no bebê por nascer. A mulher grávida deve ser cercada por uma atmosfera positiva, calma e tranqüila. Ira e ansiedade devem ser evitadas ao máximo.

O mesmo se aplica a respeito do desenvolvimento espiritual do embrião e feto; o comportamento da mãe, bem como seu ambiente, têm efeitos duradouros na nova vida em desenvolvimento. Nossos Sábios encorajam as mulheres a usarem os meses de gravidez para aumentar suas boas ações e refinamento espiritual. Para este fim, a mulher grávida deve ir à sinagoga sempre que possível, e participar em aulas de estudo de Torá.

Embora todas as boas ações e mitsvot sejam benéficas ao bebê que vai nascer, nossos Sábios enfatizam o valor de fazer mais caridade. Ser bom com os outros faz com que D'us nos trate da mesma maneira. Além da caridade regular que a pessoa distribui, a caridade deve ser feita todo dia – ter uma caixinha de tsedacá em casa facilita essa prática. A hora mais apropriada para doar para caridade é antes do Shabat ou do acendimento de velas numa Festa Judaica. Nessa hora, deve-se acrescentar em tsedacá, considerando que no dia seguinte a pessoa estará impossibilitada de fazê-lo, devido à restrição de manusear dinheiro nesses dias sagrados.

Foto tirada em 10-02-2008.
Assim como uma mulher grávida deve ser meticulosa sobre as suas necessidades nutricionais, deve também cuidar da "nutrição espiritual". Comer somente alimentos casher tem um impacto extremamente positivo sobre o feto.

Eis aqui alguns costumes
relacionados à gravidez e ao parto, que são praticados por várias comunidades judaicas:

- Alguns têm o costume de manter a gravidez em segredo dos amigos e conhecidos até o quinto mês, a menos que se torne aparente… Esta restrição não inclui membros da família.

- Alguns têm o costume de o marido abrir a Arca da sinagoga antes da leitura da Torá durante o último mês de gravidez. O Zohar diz: "Quando a congregação tira o Rolo de Torá, os Portões Celestiais da Misericórdia se abrem, e o amor de D'us é despertado." O marido abrindo os Portões do Céu atrai a bênção misericordiosa de D'us para que o parto seja fácil e sem complicações.

- Em algumas comunidades é costume que a mulher judia mergulhe num micvê durante o nono mês de gestação. Fale com sua rebetsin ou "atendente do micvê" sobre planejamento e preparação. É aconselhável consultar seu médico antes de ir ao micvê.

- Durante a gravidez, mãe e pai devem aumentar sua recitação de Tehilim. Antes de irem para a cama, é costume o marido recitar o Salmo 20. Ao terminar, deve repetir o segundo versículo do Salmo.


foto tirada no dia 01-04-2008.
- As mezuzot da casa devem ser inspecionadas por um escriba durante os meses de gravidez. Se a pessoa não tem mezuzot em toda a casa, agora é a época para adquirir novas mezuzot.

- Uma mulher grávida deve esforçar-se para ser exposta a visões e sons sagrados. Para isso, sempre que possível ela deve evitar olhar para animais não-casher (visitas ao zoológico podem esperar até depois do nascimento). Deve evitar ouvir fofocas, maledicência ou outras conversas perniciosas.

- Em muitas comunidades, a mulher grávida não visita cemitérios a fim de evitar locais que podem levar a emoções negativas.

- É costume ter uma cópia do Salmo 121 na mão durante o parto.
Se possível, durante as etapas finais de trabalho de parto, o marido deve recitar estes Salmos: 1, 2, 3, 4, 20, 21, 22, 23, 24, 33, 47, 72, 86, 90, 91, 92, 93, 104, 112 e 113 até o 150.

Por Chana e Dovid Zaklikowski


RECEITA DA BUREKA

Você já ouviu falar em Bureka?

Calma, não é palavrão. O termo vem do turco börek, nome de um pãozinho típico recheado. A Bureka é um dos tradicionais quitutes da culinária judaica.

A Bureka da foto pode ser encontrada na Doceria Burikita, na Rua Três Rios, o quitute é receita da mãe do iugoslavo David Ben Avram, atual proprietário. Lembra uma trouxinha de massa folhada recheada. A de batata com cebola chapeada é uma delícia.

INGREDIENTES:

Massa


1 copo de óleo
1 copo de água
2 pires de cafezinho de queijo parmesão ralado
1 colher de café de sal
800g de farinha de trigo
1 ovo para pincelar
Queijo ralado para polvilhar

Recheio de Queijo


1 1/2 xícara de queijo parmesão ralado da melhor qualidade
1 colher de chá de manteiga
4 batatas grandes cozidas e espremidas
2 ovos
1 xícara de queijo minas, ou similar, ralado

MODO DE FAZER

Recheio


Misturar tudo até ficar bem homogêneo e firme.
Aplicar na massa.
Massa
Numa tigela junte o óleo, a água, o queijo parmesão e o sal e mexa bem.
Junte aos poucos a farinha, até formar uma massa nem mole nem dura.
Faça bolinhas pequenas e abra com um rolo (não muito fina).
Coloque o recheio de queijo ou outro de sua preferência e feche.
Corte o excesso com um copo, prensando bem e dando a forma de uma meia lua.
Coloque o pastel numa assadeira untada com óleo.
Antes de levar ao forno, pincele com ovo levemente batido e polvilhe cada Bureka com queijo parmesão.
Asse por 1 hora em forno médio e, no final, diminua para dourar.
Sirva-os quentes ou em temperatura ambiente.
Dicas:
1- No lugar do queijo parmesão, pode-se polvilhar com semente de gergelim.
2- A qualidade do queijo parmesão influi muito na Bureka. O resultado é surpreendente quando se trata de produto fresco e de ótima qualidade.

Latkes de batata:

Ingredientes:

300 g de batata descascada e ralada
1 colher (sopa) de cebola ralada
3 ovos batidos
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 1/2 colher (chá) de sal
120 ml de óleo de amendoim

Modo de preparo:

Coloque as batatas em um pedaço de musselina, ou em um pano de prato limpo e fino. Comprima-as, extraindo o máximo de umidade possível.
Depois, misture as batatas com a cebola, os ovos, a farinha e o sal, em uma tigela média.
Por fim, em uma frigideira, em fogo médio-alto, aqueça o óleo até ficar quente. Coloque colheradas grandes da mistura de batata no óleo quente, pressionando-as para baixo de modo que formem bolinhos de 0,5 a 1 cm de espessura. Doure-os de um lado. Depois, vire-os para dourarem do outro lado. Deixe-os escorrer em papel-toalha.
Sirva-os quentes!