sábado, 31 de dezembro de 2016

O que é Chanuca.

Chanuca é uma lição de vida, talvez a lição mais importante que você jamais aprenderá. Chanuca é a história da luz desafiando as trevas. 
Todos nós lutamos com a escuridão, seja dentro de nós mesmos ou no mundo lá fora. Chanuca chega para dizer, não lute com as sombras. Em vez disso, acenda uma vela e a escuridão irá embora.
O que é uma vela? Uma vela é uma mitzvá, um ato divinamente belo, que nos foi passado pelo Céu para elevar nosso mundo e fazer dele um local divinamente belo.
Nada é mais poderoso que uma mitzvá. 
Portanto, à  medida que a luz do sol diminui, acendemos uma pequena vela. No dia seguinte, acendemos duas. Dia a dia, a luz se torna mais forte, até que chegamos ao poder de oito, um número que representa um poder além da natureza, uma força miraculosa. 
Existem muitas lições a serem aprendidas com Chanuca, mas vamos começar aqui:
Quando nascem as trevas, produza mais luz. Espalhe mais bondade.
Acrescente outra mitzvá à sua vida e faça sua lamparina crescer a cada dia. Talvez pareça algo pequeno, minúsculo em comparação à escuridão lá fora, mas jamais subestime o poder da luz. Como na história dos Macabeus, apenas um pouquinho de luz pode afastar muita, muita escuridão. 
Chag Chanuca Sameach!

domingo, 25 de dezembro de 2016

Meus pais, minhas raízes.

Mãe teus braços sempre se abrem quando preciso de um abraço. Teu coração sabe compreender quando preciso de uma amiga. Teus olhos sensíveis se endurecem quando preciso de uma lição. Tua força e teu amor me dirigiram pela vida e me deram asas que precisava para voar.
Te amo mãe.

Estes são meus pais. Minhas raízes.




Antônio de Barros Galvão e
Luzinete Maria Galvão.

Chag Sameach Chanuka.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Minhas chalot.

23/12/2016.
Iniciei as 11:00 horas da manhã. Eu amassando minha massa.




uma hora depois, minha massa ficou assim.




Cortando.... agora é a hora de separar os pedaços.




Cortando, separando e assim vou fazendo.




Só mais um pouquinho.
Gosto muito de fazer minhas chalot.



Terminando.
Agora é só transar as chalot.  Lembre-se, são 12 pedaços.



Agora deixar descansar por mais uma hora.



Coloquei o gergilim e levei ao forno.





Esta é a parte: separei a chalá da massa e recitei a bênção.



Baruch Ata A-do-nai E-lo-hê-nu Mêlech haolam, asher Kideshánu bemitsvotav vetsivánu lehafrish chalá.

Aí queimei a chalá. A parte separada.






Aqui esta! Minhas chalot prontas. Hummm. Agora é só esperar a hora do Shabat chegar.



Chegou o Shabat.
Shabat shalom a todos.
18:30 da noite.
Que HaShem nos abençoe.


quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

A morte não é nada.

"...Eu apenas passei para o outro lado:
É como se estivesse escondido no quarto ao lado.
Eu sou sempre eu, e tu és sempre tu.
O que éramos antes um para o outro ainda somos.
Liga-me com o nome que você sempre me deu, que te é familiar;
Fala-me da mesma forma carinhosa que tens usado sempre.
Não mude teu tom de voz, não assuma um ar solene ou triste.
Continua a rir daquilo que nos fazia rir,
Daquelas pequenas coisas que tanto gostávamos, quando estávamos juntos.
Reza, sorri, pensa em mim!
Que o meu nome seja sempre uma palavra familiar...
Diga-o sem o mínimo traço de sombra ou de tristeza.
A nossa vida conserva todo o significado que sempre teve:
É a mesma de antes, há uma continuidade que não se quebra.
Por que eu deveria estar fora dos teus pensamentos e da tua mente, apenas porque estou fora da tua vista?
Não estou longe, estou do outro lado, na mesma esquina.
Fica tranquilo, está tudo bem.
Vou levar o meu coração,
Daí acharás a ternura purificada.
Seca as tuas lágrimas e se me amas, não chores mais,
O teu sorriso é a minha paz"

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Resumo da Parashat Semanal.

Vayetsê - Gênesis 28:10 - 32:3

Vayetsê começa com Yaacov fugindo de Esav e deixando a casa dos pais para viajar a Charan, onde ficará com seu tio Lavan (Labão). Ao passar a noite no local onde no futuro seria construido o Templo Sagrado, D'us aparece a Yaacov no sonho de uma escada descendo do céu até a terra, na qual anjos sobem e descem. Do topo da escada, D'us promete a Yaacov que seus descendentes herdarão a Terra de Israel.

Na sua chegada em Charan, após rolar uma imensa pedra da boca do poço da cidade para que os pastores do lugar pudessem dar água aos rebanhos, Yaacov encontra a filha de Lavan, Rachel, e concorda em trabalhar para seu pai por sete anos a fim de conseguir sua mão em casamento. Quando finalmente chega a noite do casamento, Lavan engana Yaacov, substituindo Rachel pela sua filha mais velha, Lea. Após esperar uma semana, Yaacov casa-se também com Rachel, mas não antes de ser forçado a cumprir mais sete anos de trabalho.

Nos anos que se seguem Rachel permanece estéril, enquanto Lea dá à luz a seis filhos e uma filha, e Bilá e Zilpá (as criadas de Rachel e Lea, respectivamente) cada uma tem dois filhos de Yaacov.

Finalmente Rachel tem um filho, Yossef. Yaacov torna-se muito rico durante sua estadia com Lavan, amealhando um grande rebanho, mesmo enquanto Lavan continuamente tenta enganá-lo por todos os vinte anos de sua permanência.

Após aconselhar-se com suas esposas, Yaacov e a família fogem de Lavan, que o persegue e o enfrenta, aborrecido por Yaacov ter ido embora sem se despedir, e arrogantemente afirmando que Yaacov roubou seus ídolos.

Após Lavan infrutiferamente procurar os ídolos (que Rachel escondeu, sem que Yaacov soubesse, para impedir o pai de adorá-los), Yaacov e Lavan entram em uma acalorada discussão. Finalmente assinam um acordo, prometendo permanecer em paz, e a porção se encerra quando eles se separam
Vayetsê começa com Yaacov fugindo de Esav e deixando a casa dos pais para viajar a Charan, onde ficará com seu tio Lavan (Labão). Ao passar a noite no local onde no futuro seria construido o Templo Sagrado, D'us aparece a Yaacov no sonho de uma escada descendo do céu até a terra, na qual anjos sobem e descem. Do topo da escada, D'us promete a Yaacov que seus descendentes herdarão a Terra de Israel.

Na sua chegada em Charan, após rolar uma imensa pedra da boca do poço da cidade para que os pastores do lugar pudessem dar água aos rebanhos, Yaacov encontra a filha de Lavan, Rachel, e concorda em trabalhar para seu pai por sete anos a fim de conseguir sua mão em casamento. Quando finalmente chega a noite do casamento, Lavan engana Yaacov, substituindo Rachel pela sua filha mais velha, Lea. Após esperar uma semana, Yaacov casa-se também com Rachel, mas não antes de ser forçado a cumprir mais sete anos de trabalho.

Nos anos que se seguem Rachel permanece estéril, enquanto Lea dá à luz a seis filhos e uma filha, e Bilá e Zilpá (as criadas de Rachel e Lea, respectivamente) cada uma tem dois filhos de Yaacov.

Finalmente Rachel tem um filho, Yossef. Yaacov torna-se muito rico durante sua estadia com Lavan, amealhando um grande rebanho, mesmo enquanto Lavan continuamente tenta enganá-lo por todos os vinte anos de sua permanência.

Após aconselhar-se com suas esposas, Yaacov e a família fogem de Lavan, que o persegue e o enfrenta, aborrecido por Yaacov ter ido embora sem se despedir, e arrogantemente afirmando que Yaacov roubou seus ídolos.

Após Lavan infrutiferamente procurar os ídolos (que Rachel escondeu, sem que Yaacov soubesse, para impedir o pai de adorá-los), Yaacov e Lavan entram em uma acalorada discussão. Finalmente assinam um acordo, prometendo permanecer em paz, e a porção se encerra quando eles se separam.

Fonte: chabad.org

Parashat Vaietsê.

BERESHIT/GÊNESIS 28:10−32:3
HAFTARÁ (LEITURA DOS PROFETAS):
                    HOSHÊA (OSÉIAS) 11:7-14:10

     O título da Parashá desta semana, em hebraico, significa “e saiu”.  Refere-se ao fato de que o patriarca Iaacóv teve que fugir da ira do seu irmão Esau   para a casa do seu tio Laban.

     Começa assim o seu exílio em Haran, terra do patriarca Abraham, por um período de 20 anos. Na casa de Laban, Iaacóv trabalha e vive uma vida de exploração e opressão contrária aos princípios da fé judaica que ele conhecia. Para exemplificar, a parashá revela o descumprimento dos acordos de trabalho entre os dois.  Iaacóv recebe Lea como esposa no lugar de Rachel.   Ao partir, Laban vacila em compensar Iaacóv, embora tenha enriquecido em consequência do seu trabalho. Na despedida, porém, Laban admite: D'us me abençoou por sua causa".  Então, Iaacóv parte de volta para Canaan, acompanhado por suas esposas, filhos e bens.

        Certamente, devido ao histórico familiar, que começa com a ida de seu avô Abraham de Haran para Canaan, Iaacóv tem consciência de que sua família faz parte de um contexto que dará origem ao futuro povo judeu.

      Esta Parashá evoca uma semelhança com o destino de muitas comunidades judaicas ao longo da história.   Apesar de forçados a viver em ambientes hostis, criaram riquezas e prosperidade nesses lugares.   Entretanto, isto não impediu o surgimento de movimentos antissemitas e consequentes expulsões.

    Modernamente, observamos um fenômeno parecido em relação ao Estado de Israel. Apesar das suas contribuições para o bem-estar da humanidade, crescem a hostilidade e os boicotes contra o estado judeu. Mas o teste da longevidade do povo judeu mostra que Iaacóv estava no caminho certo.

Shabat Shalom

Gonte: Fiszel Solewicz

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

ברוך הבא מלך המשיח


Oração.

Quando uma judia ora, sua atenção está vinculada à tudo que é importante para sua conexão com o Altíssimo. Seu recato será sempre uma demonstração contínua e nunca superficial e de aparência. Tradição é algo que rege a vida de todos aqueles que se respeitam e entendem que uma vez ligada ou ligado, ao povo Judeu, desde a sua concepção nos Céus até o ventre de sua mãe, não é algo a ser jamais negligenciado

Zelo e Cuidado.

Existem várias maneiras de identificarmos afeto entre as pessoas. Mas é quase impossível diferenciarmos o que é afeto do que é apenas acomodação de sentimentos. Sendo o amor algo que não se pode medir ou perceber como se percebe a quantidade de chuva que chega e que vai, resta-nos apenas algumas percepções sutis do quanto aquele amor ou afeto é real. Podemos dizer que o reconhecimento prático e a gratidão, seriam formas mais visíveis e diretas. Contundo existem elementos imperceptíveis no reconhecimento sincero desse sentimento, podemos arriscar dizendo que quando existe uma correspondência, existe coerência e atenção. Podemos também dizer que "se a vida é uma via de mão dupla" então o que damos esperamos receber, não uma simples troca, mas algo que retorna de forma simples e natural, sem o registro de uma obrigação. Então ser grato ou ingrato passa por conceitos que vão além da educação. Não que tudo que fazemos tem que ser necessariamente algo que deva ser retribuído, mas sempre devemos ter em mente algo básico, a cada ação uma reação e isso existe mesmo até que a reação seja somente a indiferença.

A Escolha do Caminho.

"Ouve com atenção minhas palavras, meu filho; direciona para elas teus ouvidos.(tua atenção) ..... Acima de tudo, guarda teu coração do que é proibido, pois dele emana a escolha para a direção a seguir na vida. (A direção sempre pode ser mudada) ....Remove de ti palavras dúbias (duplo sentido) e distancia de ti lábios enganadores. (Mentirosos) .... Que se voltem teus olhos para o caminho à tua frente (Ter foco permanente, saber o que realmente quer) ....Pondera o caminho de teus pés e serão firmes todos os teus caminhos. (não seguir os caminhos dos fracos de caracter) .... Não te desvies à esquerda ou à direita e guarda teu pé do caminho do mal   (O mal esta sempre aonde está a nossa kavanah. Para isso devemos sempre nos policiar)" - Mishle 4.20-27 (Provérbios).


Toda verdade é relativa

Toda verdade é relativa, já que cada verdade pertence a quem diz, contudo o caracter é único já que este é o pilar de todas as coisas. Só é digno de caracter quem se respeita e sabe respeitar o outro. Mas não se respeita quem tenta viver o melhor dos "dois mundos". Apesar de maneira variada desejarmos o melhor dos dois mundos, devemos sempre ter em mente que não podemos manter uma virtude maquiada. Devemos optar pelo bom senso e boa coerência como forma de banir a "verdade útil" e preservar e estimular a Verdade-essencial que edifica.